Andaluzia é 100%

junho 29, 2010

Atlética Cásper Líbero

Equipe espanta o fantasma dos desfalques na primeira fase e se classifica para a fase final

Duda Mendonza
Assessoria de Imprensa

Após vencer a primeira partida no início do ano, o Andaluzia só voltou às quadras após a última semana de provas do primeiro semestre. Primeiro, um duelo decisivo contra o Jornaleiros. Depois, um reencontro com o velho rival, Breacos. Mesmo com o elenco bastante desfalcado, os europeus conseguiram chegar à nove pontos e à liderança do grupo. “Vínhamos de uma decepcionante campanha nos Jogos da Cidade. Fomos eliminados por um W.O. na última rodada da primeira fase, quando ainda tínhamos chances de classificação no torneio. Agora, a classificação na Gérson nos deixa mais próximos de um lugar na primeira divisão da Mané Garrincha”, afirmou Espigamovic.

Apesar dos habituais problemas com ausência de atletas, o Andaluzia finalmente teve o retorno do capitão Justin. O ala, afastado há mais de um ano, mostrou estar próximo da forma ideal e ainda deixou sua marca diversas vezes no marcador em ambos os jogos. “Tomamos um susto no começo do jogo contra o Jornaleiros, mas depois conseguimos acertar as jogadas e chegar à vitória” disse o pequeno canhoto após a partida.

No encerramento da rodada, quem sofreu com os desfalques foi o Breacos. Com um a menos durante toda a partida, os laranjas tentaram conter o ataque andaluz que ainda utilizava o goleiro-linha. Em ritmo de treino, a equipe espanhola marcou um atrás de outro (tomando alguns sustos) e garantiu a vaga na fase final.


Andaluzia perde, mas ainda sonha

maio 24, 2010

Andaluzia FC

Equipe deixa escapar classificação nos Jogos da Cidade e vê chances de classificação mais longe

Duda Mendonza
Assessoria de Imprensa

Neste último domingo, 23/05, o Andaluzia tinha a difícil missão de vencer o Vila Mariana F.A. e praticamente garantir a classificação para a próxima fase. O que se viu, entretanto, foi um Andaluzia cansado e envolvido pela forte disciplina tática do adversário.

O Jogo
Os europeus saíram com Nill, Mailão, Espiga, Allan e Penharol, além do fixo Pinochet, que iniciou no banco de reservas. Da mesma forma que fizeram na estréia, os andaluzes se fecharam em seu campo de defesa, mas, desentrosados, não conseguiram cobrir todos os espaços. O Vila Mariana se aproveitou dos descuidos da defesa andaluz e abriu o placar. Sem muitas opções de ataque, o Andaluzia tentava assustar com chutes de longe de Allan, Pinochet e Espiga. A boa colocação da defesa adversária impedia o time de chegar a uma chance clara de gol, para desespero do pivô, Penharol. O astro uruguaio reclamava da arbitragem que fazia vista grossa para as fortes, e desleais, entradas do camisa 3 adversário. Em uma delas, o juiz novamente não apitou falta e permitiu que o Vila Mariana convertesse o contra-ataque no seu segundo gol.

Desesperado, o Andaluzia colocou seu goleiro-linha em quadra, mas, diferente do que ocorreu na estréia, não conseguiu envolver o adversário. Desentrosados e cansados pela falta de ritmo, os andaluzes assistiram o Vila Mariana anotar o terceiro gol ainda antes do intervalo.

Ao retornar do vestiário, os espanhóis demonstraram estar decididos a buscar o empate. Em cobrança de escanteio pela direita, Espiga achou Pinochet dentro da área. O fixo, com categoria, acertou belo chute de primeira, colocando por baixo das pernas do arqueiro: 3×1. Ainda antes de o adversário poder se recuperar do golpe, o Andaluzia diminuiu novamente a diferença em rápido contra-ataque. Espiga dominou pela direita e passou para Mailão, sem marcação, na cara do gol. O veterano de Mogi não perdoou e tocou na saída do goleiro para fazer o segundo gol andaluz.

Com o placar em 3×2, a partida parecia tomar outro rumo. Mesmo cansados, os andaluzes brigavam para conseguir o gol de empate. Quase conseguiram com Allan em chute cruzado pela esquerda e, no contragolpe do V.M., uma ducha de água fria: 4×2. O Andaluzia viu suas chances escapando e finalmente perdeu as esperanças graças ao juiz da partida. O árbitro interpretou erroneamente lance de Penharol ao dividir com o camisa 3 adversário e expulsou o pivô do Uruguai, deixando os andaluzes com apenas 4 homens em quadra. Ainda assim, a equipe européia quase chegou ao terceiro gol com Pinochet. O arqueiro Nill ainda impediu que o Vila Mariana ampliasse o placar com ótimas defesas no final da partida.

O Andaluzia, com 3 pontos e 0 gol de saldo, ainda sonha com a classificação. Mas dependerá de uma combinação de resultados para que siga vivo na competição que encerra sua primeira fase no dia 13 de Junho.


Novela Zeca-Andaluzia perto de final feliz

maio 18, 2010

Andaluzia

Dirigentes confirmam acerto verbal com o atleta que pode defender a equipe européia após a Copa do Mundo

Duda Mendonza
Assessoria de Imprensa


Coxinha (ou Zeca, como gosta de ser chamado) iniciou sua carreira na Cásper em 2009. Foi cortado da equipe de Futsal mas voltou no ano seguinte decidido a ficar no time. Integrante da seleção de Futsal que defenderá a Atlética Jesse Owens no Juca 2010, Zeca despertou interesse nos dirigentes do Andaluzia após uma série de boas atuações entre treinos, amistosos e partidas oficiais deste ano. “Seu desempenho no campeonato interno também ajudou bastante. Ele é decisivo e pode adicionar bastante ao elenco andaluz” afirmou uma fonte interna do Andaluzia que não quis revelar a identidade.

Zeca afirma que está empolgado com a soldagem, mas mantém os pés no chão: “Agora eu só quero pensar no Juca. Venho me preparando para isso desde o começo do ano e espero poder ajudar a Cásper a conquistar mais um título. O que vier depois será consequência.”.

Já eliminado da Copa Gérson, o Real Madruga, atual time do atleta, despontou no ano passado como finalista da Mané Garrincha. Apesar de não repetir o mesmo desempenho nesta temporada, demonstrou poder competitivo para sonhar alto no segundo semestre. “Fico feliz por ter ajudado a equipe a chegar tão longe” afirma Zeca.

O empresário do atleta deve se reunir com os dirigentes do clube europeu na primeira semana após o Juca para acertar a papelada e agendar a apresentação oficial do atleta no CT Claudinha Leite.

Colaborou: J. Florence


Andaluzia estréia nos Jogos da Cidade com vitória

maio 17, 2010

Equipe desfalcada derrotou o atual campeão regional por 4×2

Duda Mendonza
Assessoria de Imprensa

Na manhã do último domingo, 16/5, os andaluzes tiveram que acordar cedo para fazer sua partida de estréia pelos Jogos da Cidade. Desfalcada (grande parte da equipe foi convocada para defender a seleção de futsal da Cásper Líbero na Liga Paulista Universitária), a equipe do velho continente jogou os dois tempos inteiros com os mesmos cinco jogadores: Ladá, Mailão, Negão, Espiga e Peñarol.

Do outro lado, a equipe dos Boleiros da Saúde, atual campeã regional da Sub-Prefeitura da Vila Mariana, previa uma partida fácil. Generosos, os Boleiros permitiram uma tolerância de 25 minutos de atraso para que Peñarol pudesse chegar e completar o elenco andaluz.

O Jogo
Sem nenhuma troca no banco de reservas, o Andaluzia se fechou em seu campo de defesa para dificultar o jogo do adversário o máximo possível sem se cansar muito. Ladá, improvisado na posição de goleiro (o arqueiro titular Nill não compareceu sem prévio aviso), fez milagres quando a muralha erguida por Mailão, Espiga e Negão não funcionava. O único posicionada à frente da intermediária era o pivô Peñarol que, juntamente com Espiga, puxava os contra-ataques da equipe espanhola. Contudo, foi dos pés de Negão que saiu o primeiro gol da partida. O ala de Zimbábue acertou um belo chute cruzado de direita após se livrar do marcador perto da linha lateral.

O gol surpreendeu os Boleiros que partiram para cima em busca do empate. Embora controlasse a maior parte da posse de bola, a equipe da Saúde não conseguia achar espaços para finalizações com qualidade. Espiga e Mailão cansaram de tomar boladas (em uma delas, Mailão chegou a ficar sem ar após defender chute com o estômago) e Ladá demonstrou ter reflexos de sobra para defender a porteira andaluz.

O Andaluzia continuou explorando os contra-ataques e conseguiu ampliar a vantagem com Espiga. O ala partiu em velocidade pela esquerda e, após bate-rebate com o goleiro, acertou um voleio com o gol vazio: 2×0. A reação dos Boleiros veio logo em seguida ao aproveitar um passe errado do Andaluzia, que utilizava o goleiro-linha: 2×1.

Ainda antes do fim da primeira etapa, Espiga recebeu o cartão amarelo por cometer falta perigosa no ala adversário. Inconformado, o camisa 14 deu o troco com um belo gol de bola parada. Negão cobrou falta rasteira pela direita e Espiga acertou uma paulada de primeira no ângulo do arqueiro da Saúde. O gol deu mais tranquilidade para a equipe, que foi para o intervalo com dois gols de diferença.

Ao voltar para a etapa final, o Andaluzia veio determinado a impor seu domínio na partida. Logo no primeiro lance, os europeus fizeram uma jogada ensaiada com o goleiro-linha Ladá. O vocalista da banda Skank fez belo lançamento para Peñarol que girou para cima do defensor e acertou um belo passe para Espiga, livre de marcação e do lado da trave. Este teve apenas o trabalho de empurrar a bola para as redes e sair para o abraço: 4×1.

O que se viu no restante da partida foi praticamente uma reprise da primeira etapa. Os Boleiros continuaram controlando a posse de bola, mas sem criatividade para furar o forte bloqueio andaluz. Já os espanhóis procuravam gastar o tempo usando o goleiro-linha e tentando matar o jogo nos contra-ataques. Peñarol e Espiga perderam duas oportunidades claras de gol. Nas duas situações poderiam ter passado a bola para o colega melhor posicionado, mas erraram na conclusão.

A poucos minutos do fim, a equipe da Saúde ainda conseguiu diminuir o placar para 4×2, mas logo viu suas chances de reação serem frustradas pelo apito final do juiz.

Graças à vitória, o Andaluzia deu um grande passo rumo à classificação (apenas o líder de cada grupo avança para a próxima fase). “Vencer na estréia é muito importante numa competição como essa. Ainda mais quando é contra a equipe considerada a mais forte do grupo.” afirmou o comandante Espigamovic. A equipe espanhola entra em quadra novamente já no próximo fim de semana contra o Vila Mariana F.A. “Será o jogo mais importante desta primeira fase, pois definirá quem terá chances de se classificar e quem ficará de fora da briga” prevê Ladá.

Ficha Técnica:
Gols:
Espiga (3) e Negão (1) – Andaluzia
Jordy (1) e Crouch (1) – Boleiros
Cartão Amarelo: Espiga – Andaluzia
Arbitragem: Ruim
Público: Espiguete

Andaluzia estréia nos Jogos da Cidade com vitória

Equipe desfalcada derrotou o atual campeão regional por 4×2

Duda Mendonza

Assessoria de Imprensa

Na manhã do último domingo, 16/5, os andaluzes tiveram que acordar cedo para fazer sua partida de estréia pelos Jogos da Cidade. Desfalcada (grande parte da equipe foi convocada para defender a seleção de futsal da Cásper Líbero na Liga Paulista Universitária), a equipe do velho continente jogou os dois tempos inteiros com os mesmos cinco jogadores: Ladá, Mailão, Negão, Espiga e Peñarol.

Do outro lado, a equipe dos Boleiros da Saúde, atual campeã regional da Sub-Prefeitura da Vila Mariana, previa uma partida fácil. Generosos, os Boleiros permitiram uma tolerância de 25 minutos de atraso para que Peñarol pudesse chegar e completar o elenco andaluz.

O Jogo

Sem nenhuma troca no banco de reservas, o Andaluzia se fechou em seu campo de defesa para dificultar o jogo do adversário o máximo possível sem se cansar muito. Ladá, improvisado na posição de goleiro (o arqueiro titular Nill não compareceu sem prévio aviso), fez milagres quando a muralha erguida por Mailão, Espiga e Negão não funcionava. O único posicionada à frente da intermediária era o pivô Peñarol que, juntamente com Espiga, puxava os contra-ataques da equipe espanhola. Contudo, foi dos pés de Negão que saiu o primeiro gol da partida. O ala de Zimbábue acertou um belo chute cruzado de direita após se livrar do marcador perto da linha lateral.

O gol surpreendeu os Boleiros que partiram para cima em busca do empate. Embora controlasse a maior parte da posse de bola, a equipe da Saúde não conseguia achar espaços para finalizações com qualidade. Espiga e Mailão cansaram de tomar boladas (em uma delas, Mailão chegou a ficar sem ar após defender chute com o estômago) e Ladá demonstrou ter reflexos de sobra para defender a porteira andaluz.

O Andaluzia continuou explorando os contra-ataques e conseguiu ampliar a vantagem com Espiga. O ala partiu em velocidade pela esquerda e, após bate-rebate com o goleiro, acertou um voleio com o gol vazio: 2×0. A reação dos Boleiros veio logo em seguida ao aproveitar um passe errado do Andaluzia, que utilizava o goleiro-linha: 2×1.

Ainda antes do fim da primeira etapa, Espiga recebeu o cartão amarelo por cometer falta perigosa no ala adversário. Inconformado, o camisa 14 deu o troco com um belo gol de bola parada. Negão cobrou falta rasteira pela direita e Espiga acertou uma paulada de primeira no ângulo do arqueiro da Saúde. O gol deu mais tranquilidade para a equipe, que foi para o intervalo com dois gols de diferença.

Ao voltar para a etapa final, o Andaluzia veio determinado a impor seu domínio na partida. Logo no primeiro lance, os europeus fizeram uma jogada ensaiada com o goleiro-linha Ladá. O vocalista da banda Skank fez belo lançamento para Peñarol que girou para cima do defensor e acertou um belo passe para Espiga, livre de marcação e do lado da trave. Este teve apenas o trabalho de empurrar a bola para as redes e sair para o abraço: 4×1.

O que se viu no restante da partida foi praticamente uma reprise da primeira etapa. Os Boleiros continuaram controlando a posse de bola, mas sem criatividade para furar o forte bloqueio andaluz. Já os espanhóis procuravam gastar o tempo usando o goleiro-linha e tentando matar o jogo nos contra-ataques. Peñarol e Espiga perderam duas oportunidades claras de gol. Nas duas situações poderiam ter passado a bola para o colega melhor posicionado, mas erraram na conclusão.

A poucos minutos do fim, a equipe da Saúde ainda conseguiu diminuir o placar para 4×2, mas logo viu suas chances de reação serem frustradas pelo apito final do juiz.

Graças à vitória, o Andaluzia deu um grande passo rumo à classificação (apenas o líder de cada grupo avança para a próxima fase). “Vencer na estréia é muito importante numa competição como essa. Ainda mais quando é contra a equipe considerada a mais forte do grupo.” afirmou o comandante Espigamovic. A equipe espanhola entra em quadra novamente já no próximo fim de semana contra o Vila Mariana F.A. “Será o jogo mais importante desta primeira fase, pois definirá quem terá chances de se classificar e quem ficará de fora da briga” prevê Ladá.

Ficha Técnica:

Gols: Espiga (3) e Negão (1) – Andaluzia

Jordy (1) e Crouch (1) – Boleiros

Cartão Amarelo: Espiga – Andaluzia

Arbitragem: Ruim

Público: Espiguete


Andaluzia vence Bolander na estréia: 10×2

abril 6, 2010

Andaluzia Fútbol y Temaki

Elenco renovado mostra seu poder de fogo, apesar da falta de entrosamento

Duda Mendonza
Assessoria de Imprensa

Na noite desta última segunda-feira, a única equipe espanhola da Cásper Líbero tinha um grande desafio pela frente: arrecadar dinheiro para comprar um uniforme. Mas antes disso, se viu ameaçada por um estreante (e perigoso) Bolander, com jogadores habilidosos e cheios de vontade. Os andaluzes, reforçados por estrelas renomadas como El Cuervo (vulgo: Sem Coxa), El Demônio, Chico Maravilha, Diego e o ilustre Ladá, tiveram que suar a camisa para conquistar a vitória, na qual brilhou a estrela do talismã oriental Pikachu.

Comemoração de Pikachu

O Zogo

Iniciando a partida com os fundadores: Espiga, Mailão e Pikachu, e os estreantes Cuervo e Diego, o Andaluzia demorou a se encontrar em quadra. Embora controlasse a maior parte da posse de bola, não conseguia acertar nas finalizações. El Cuervo teve bastante trabalho na primeira etapa, em diversos contra-ataques bolandeiros, mas justificou o valor altíssimo de sua contratação, com ótimas defesas, para inveja de Nill.

Os espanhóis começaram a melhorar com a entrada de Ladá na partida. Bastaram alguns toques na bola para a torcida perceber que começava a surgir um novo ídolo na província andaluz. Com excelência, o professor do Futebol de Campo casperiano atraiu toda a marcação para si, deixando Pikachu com o caminho aberto para acertar um petardo do meio da rua. O gol deu novo ânimo à equipe, e os andaluzes foram para cima. Dentre os estreantes, um destaque. Questionado por integrar a equipe que já havia estourado a cota de vagas para descendentes afro-latinos, ele não tomou conhecimento do forte poder defensivo adversário e justificou por que merece ser titular na equipe. Com dois gols de pura maestria, o mulatinho nervoso carimbou seu nome na artilharia da equipe logo na estréia, embalado pelos gritos ensurdecedores da torcida: “EL DEMONIO EL DEMONIO EL DEMONIOOO!”

Ainda na primeira etapa, Diego também provou que está na briga por um lugar na equipe anotando duas vezes. Enquanto Mailão segurava as investidas dos ambiciosos bolandeiros, Espiga e (finalmente) Kalil (vulgo: El Ponei) ampliaram para o Andaluzia.

Na etapa final, foi a vez de Pikachu demonstrar ao técnico que também merece uma vaga. Acertou mais uma bomba, indefensável para o arqueiro do Bolander, e comemorou com gestos indicando o formato de um Temaki. Ainda insatisfeito, mostrou ter faro de gol ao se livrar da marcação do competente defensor adversário e completar seu “Hat-Trick” com um toque de classe na saída do goleiro. Os bolandeiros ainda esboçaram uma reação ao anotar duas vezes no gol de Nill (que substituíra El Cuervo na segunda etapa).

Faltava apenas o tento de Ladá que teimava em sair, hora por infelicidade do matador, hora por competência do guarda-metas bolandeiro. Mesmo assim, o vocalista do Skank não desanimou e, em jogada individual, entortou dois zagueiros antes de acertar um belo arremate cruzado, sem chance para o goleiro.

Ficou devendo
Com atuação tímida, Chico Maravilha reconheceu que deve mostrar um melhor futebol para se firmar na equipe. O jovem estreante que, há poucos dias, não havia assinado com uma equipe casperiana, acertou bons passes e não comprometeu enquanto esteve dentro de quadra. Contudo, dirigentes e torcida acreditam que ele tem potencial para ser mais decisivo. “Num fala assim” respondeu o tímido atleta.

Resenha
Mesmo sem poder usufruir das regalias do patrocinador (ainda), Diego, El Ponei e Espiga foram comemorar a vitória desfrutando o sabor do novo símbolo da torcida andaluz: um Temaki. Os atletas tiveram a companhia da mais nova “andaluzeta”, Giovanna, que se demonstrou super empolgada por ingressar no seleto grupo de “cheer-leaders” espanholas.

Colaboraram: Lima e Tomy’s
Confira a matéria na íntegra no site da Atlética Jesse Owens.


Nos pênaltis, Andaluzia vence o MB

agosto 14, 2009

Empate a 15 segundos do final e dois sustos nos pênaltis. Mas deu Andaluzia

Duda Mendonza
Assessoria de Imprensa

Andaluzia FC

Andaluzia FC

Nem os maiores profetas da história teriam previsto uma partida como essa. Quem imaginava um jogo truncado com dois times acuados e com medo de arriscar, errou feio. O Marios Brothers chegou a ter dois match points na partida, mas desperdiçou as oportunidades. A falta de pontaria também era evidente do outro lado. O Andaluzia chegou inúmeras vezes com perigo no gol de Luigi e foi infeliz na maioria das finalizações.

A equipe do velho continente, visivelmente desfalcada, se viu obrigada a fazer uma contratação às pressas, devido à ausência de seus dois arqueiros: Nill e Bibi (ainda não se sabe qual dos dois é o titular), além de Negão, Cenoura, Kalil, Flor e Espiga, que também desfalcaram o time. O nome apontado para salvar os andaluzes do W.O. foi Fábio K. Odonne. Afastado das quadras desde 2007 (quando defendia o antigo Bobiô), o jovem quarto-anista completou o elenco que contava apenas com Guto, Pikachu, Mailão e o capitão Justin. Do outro lado, o Marios Brothers começou com Luigi no gol, Yoshi, Mario, Bowser e Toad.

O jogo
Sem goleiro, o Andaluzia saiu jogando com Guto na posição de gol-linha (função que já havia feito com eficiência em 2008) e conseguiu segurar as investidas do adversário na etapa inicial, fechando o placar em 2×1 no apito do intervalo.

Ao retornar, o que se viu foi uma sequência surpreendente de chances perdidas que deram força ao Marios Brothers virarem a partida para 2×4. Os andaluzes não quiseram ficar pra trás e, em poucos minutos, devolveram a virada quando faltavam apenas cinco minutos de jogo: 5×4. Mas quem entende de futsal sabe que cinco minutos é tempo de sobra para uma reação. Os protagonistas da Nintendo foram atrás e conseguiram nova virada pra cima dos europeus (5×6) e sentiram a vitória mais perto. Quase que no lance seguinte, Guto se encarregou de acabar com a festa adversária e empatou a partida: 6×6

Naquele ponto, ninguém se arriscava a dizer “vai dar pênaltis”. O ritmo de jogo era tão alucinante que qualquer ataque representava perigo ao gol adversário. E foi o que aconteceu. Yoshi aproveitou um dos inúmeros descuidos da defesa andaluz e anotou, a 15 segundos do fim, o gol que daria a vitória e a classificação inédita para o MB. Contudo, la pasión y la voluntad de Andaluzia se manifestou nas pernas do capitão Justin, que não desperdiçou a última chance do jogo com sua canhota dourada: 7×7 e decisão nos pênaltis.

Pênaltis
O confronto reservava ainda mais fortes emoções para os pobres corações andaluzes. Guto e Pikachu desperdiçaram suas cobranças (em uma disputa de melhor-de-três) e bastava que Bowser anotasse para o MB para acabar com as esperanças do único representante europeu da Copa Gérson. O arqueiro Guto, cada vez mais titular da posição, salvou o time com uma linda defesa. Na sequência, Justin não perdoou e Toad acertou a trave em seguida, deixando o placar empatado após a última cobrança.

Hora das cobranças alternadas: Mailão deu um passo à frente e, com a garra tradicional, converteu sua cobrança, comemorando euforicamente. Novamente as esperanças caíram nas mãos de Guto, mas foi seu pé, em um reflexo incrível, que defendeu a cobrança de Mario e colocou o Andaluzia nas quartas-de-final da Copa Gérson.

“Hoje é um dia histórico para o Andaluzia. Lutamos até o final e conseguimos atingir nosso objetivo que era a classificação” comemorou Mailão. O resultado coloca os europeus entre as oito melhores equipes da competição, o que significa uma vaga garantida na 1ª Divisão da Mané Garrincha (caso o formato de 2007 seja mantido). Os andaluzes devem enfrentar o Abaporu ou o Coisa Linda no próximo confronto.

Colaborou: Bruno Bernardo e Rodrigo Nhan

Fonte: Atlética Jesse Owens


Chegou a Hora de Andaluzia e Marios Brothers

agosto 12, 2009

O vencedor enfrentará o Coisa Linda ou o Abaporu nas quartas-de-final da Copa Gérson

Duda Mendonza
Assessoria de Imprensa

Andaluzia

Andaluzia

Após um longo período de recesso devido ao risco iminente da gripe suína nas imediações da Cásper Líbero, a Copa Gérson volta a todo vapor, incendiando o pequeno ginásio gazeteiro nas noites da Av. Paulista. A semana já começou pegando fogo com os confrontos entre Passabola e TH7, e Amigos do Ronaldo e Ah Como é Gostoso.

Agora, a próxima quarta-feira promete ainda mais emoções para o público casperiano. A equipe do velho continente, que fez uma primeira fase impecável, volta a entrar em quadra para defender as cores andaluzes contra o sempre perigoso Marios Brothers. Apesar de sobrar motivação para o confronto, o elenco europeu volta a sofrer o incômodo de um antigo fantasma: os desfalques. Gabriel Negão e Flor, contundidos, se juntam a Cenoura e Kalil, a trabalho, na lista de nomes que não irão entrar em quadra. “Parece que quanto mais gente trazemos pro time, mais desfalques aparecem!” diz o inconformado Espiga.

Do lado do adversário, existe a expectativa de figurar pela primeira vez entre os oito melhores times em um campeonato gazeteiro.

Abaporu x Coisa Linda

Mais uma vez, estes antigos rivais do futebol casperiano se encontram em um campeonato interno. O Coisa Linda, embalado pela campanha surpreendente nos famosos Jogos da Cidade, pretende manter a tradição de Bixo Papão da Copa Gérson e levar o caneco pela sei-lá-qual vez seguida. O Abaporu, por sua vez, traça sua rota discretamente para tentar surpreender o rival mais uma vez.

As noites casperianas prometem. Não deixe de acompanhar:

Abaporu x Coisa Linda – Terça 11/08 – 21h30
Andaluzia x Mario – Quarta 12/08 – 21h30

Matéria em: Atlética Jesse Owens