Here’s to Ronaldo

fevereiro 14, 2011

Ronaldo

Como todo bom brasileiro, amo o futebol desde criancinha. E como todos os que gostam de futebol, sonhava em ser jogador profissional. Vi o Ronaldo na televisão pela primeira vez quando tinha 9 anos, época em que eu estava começando a acompanhar campeonatos, etc. Época em que meu ídolo era o Marcelinho Carioca, do Corinthians (e ainda é). Tinha a camisa 7 do craque corinthiano, mas logo adotei a 9 da seleção. Sem ninguém da minha idade que morasse por perto, eu descia sozinho para a quadra do prédio onde morava com a minha bola e fingia que estava jogando a final da Copa do Mundo. Foi naquela quadra que eu repeti cada lance que eu via na TV. As faltas do Marcelinho, os chutes do Batistuta e, claro, os dribles e os gols do Ronaldinho (na época ele ainda era o Ronaldinho).

Cresci torcendo por ele. Foram 16 anos da minha vida acompanhando o Fenômeno. Cada drible, cada gol, cada comemoração era estudada por mim para depois descer naquela quadrinha e ficar chutando a bola na parede, sonhando que, algum dia, eu estaria fazendo igual ele, levantando multidões, saindo na capa de todos os jornais e conquistando a Copa do Mundo.

Mas, assim como o futebol, a vida também é uma caixinha de surpresas. E, aos meus 16 anos, logo depois de o Brasil conquistar o penta em 2002, eu disse: “Agora é a minha vez”. Não é preciso ser um gênio para saber que não consegui. Seja por falta de insistência ou talento (ou os dois), vi meu sonho lentamente se desfazendo com o passar dos anos. Um sonho que é de muitos, mas só se realiza para poucos sortudos. Mas o Ronaldo foi diferente. Ele teve azar. Muito azar. Dentro de campo e fora dele. Ainda assim, soma 3 títulos de melhor do planeta, 2 Copas do Mundo e sei-lá-quantocentos gols.

É por isso que o Ronaldo, hoje, é mais do que uma estrela do futebol. Ele é um estado de espírito. Ele é superação. Ele é a prova de que nem toda a negatividade do mundo pode derrubar alguém. Que não importa quantas vezes você cair, você pode se levantar de novo e ser ainda melhor do que antes. Isso sim é um Fenômeno.

Obrigado, Ronaldo.
Do seu fã, Eduardo.

=)

Anúncios

Futsal dá azar na loteria

junho 7, 2010

Atlética Cásper Líbero

Equipe cai nos pênaltis contra o Mack, logo na primeira partida

Duda Mendonza
Assessoria de Imprensa

Foi um jogo alucinante, digno de um clássico que somente a Cásper e o Mackenzie podem oferecer ao público do Juca. Muitos apontavam a partida como uma final antecipada: acertaram. Apesar de nenhuma das duas ter sido a campeã, a partida entre as faculdades mais invejadas do Juca foi, de longe, a mais emocionante.

Com as duas torcidas em peso no ginásio Gigantão, Cásper e Mackenzie entraram com força total no duelo. O estreante técnico Dalton armou os vermelhos com Wesley, Guiga, Kalil, Negão e Cenoura. Do outro lado, os tubarões traziam a mesma formação do ano passado, com a ausência do fixo Sardinha e do camisa 10, Marceu.

A partida iniciou em ritmo alucinante. Logo nos primeiros segundos, um susto para Wesley. O Mack fez rápida tabela pela esquerda e o ala chutou para fora. Ao responder, Guiga achou Cenoura livre do lado da trave do tubarão. O pivô teve apenas o trabalho de empurrar para as redes e abrir o marcador: 1×0. A diferença era magra e a Cásper sabia que, a qualquer momento, o Mack poderia empatar. Os tubarões pressionavam com jogadas individuais de Tomate, mas sempre havia um casperiano que se jogava na frente da bola e afastava o perigo. Do outro lado, os casperianos levavam perigo nos contra-ataques. Em um deles, Negão ficou cara a cara com o goleiro mackenzista. O ala de Zimbábwe fintou para a esquerda, mas o arqueiro conseguiu tirar a bola com a ponta do pé. Como quem não faz, toma, a Cásper viu o Mack empatar ainda na primeira etapa: 1×1.

Ao voltar do intervalo, a partida continuou truncada. Nenhuma das equipes queria se expor, tanto que as melhores oportunidades vinham nos contra-ataques e nas bolas paradas. Chocolate e Brunella entraram para fortalecer a defesa e impedir as investidas de Tomate pela esquerda. A Cásper se segurava em seu campo de defesa esperando a oportunidade ideal para matar a partida. Contudo, foi em uma jogada praticamente morta na linha de fundo que os casperianos desempataram. Guiga se livrou do marcador e chutou de bico. A bola espirrou na zaga e sobrou para Kalil que, do meio da rua, acertou uma paulada, sem chances de defesa para o arqueiro tubarão: 2×1. O pequeno pônei comemorou, jogando capoeira, um de seus pouquíssimos gols pela faculdade. Negão ainda teve a chance de ampliar ao encobrir o goleiro do Mack. A bola passou raspando na trave. Perto do fim, os tubarões finalmente conseguiram furar o bloqueio casperiano empatando a partida e levando a decisão para os pênaltis.

Nas cobranças, a Cásper desperdiçou as duas primeiras, enquanto o Mack confirmou as suas. A reação veio com a defesa de Wesley na cobrança de Tomate. Guiga e Negão colocaram os casperianos de volta no páreo. O Mack ainda perdeu a cobrança seguinte, levando a Aguante ao delírio, mas, infelizmente, não foi o suficiente para a Cásper que perdeu sua última cobrança.

“Gostaria muito de agradecer a todos. Esses quatro dias com vocês me fizeram sentir o que é a Cásper e o que é o futsal da Cásper! Todos me receberam bem, atletas e atlética e isso ajuda e muito a desenvolver o trabalho e teremos muito daqui a para frente” afirmou o técnico Dalton.

O exército vermelho enfrenta a Medicina USP pelas semifinais da Liga Paulista neste domingo (13/6) com grandes chances de coroar o semestre com uma vaga para a Série Ouro da competição.


Campo é terceiro colocado no Juca

junho 7, 2010

Atlética Cásper Líbero

Equipe cai diante da FAAP na semi, após golear a ECA por 6×0

Duda Mendonza
Assessoria de Imprensa

Não foi o Juca que todos esperavam, mas nem por isso deixou de ser inesquecível. Nunca, na história da modalidade, a Cásper fez tantos gols em apenas uma partida. Nunca se viu tanta garra e determinação dos atletas casperianos. E nunca se viu tanta fúria ao final de uma partida.

Quartas de final: Cásper x ECA
Com a derrota na Liga Paulista ainda engasgada, a ECA queria dar o troco nos guerreiros casperianos. Do outro lado, o técnico Ladá não queria saber de pressão do adversário. O comandante armou sua equipe de tal forma que envolveu os comunicólogos da USP em uma goleada histórica. Munido por Guiga (17), um dos melhores em campo, e Cenoura (18), o artilheiro Vitor (22) registrou seu primeiro “hat-trick” pela Cásper, firmando-se como o principal goleador da equipe em 2010. Vina (8), de cabeça, e Cenoura (17) guardaram mais dois golaços para a equipe da Paulista, que ainda teve uma ajudinha da ECA (gol contra do zagueiro Tropeço) para completar o placar elástico de 6×0.

Protegido pelo quarteto de zaga formado por Kalil, Jonas, Conilho e Rômulo, o arqueiro Denzel teve pouquíssimo trabalho no duelo, mas mostrou segurança sempre que acionado. No meio, Paulão (que entrou no lugar do machucado Espiga), ajudou o meio de campo a anular armação das jogadas ecanas. À sua frente, Murilo Lindo se revelou o mais novo cão de guarda da Cásper. O pequeno volante (conhecido por suas bufadas) mostrou que o leão da ECA se transforma em um gato mansinho à sua frente. Tácio (9) e Pikachu (69) entraram na etapa final e desperdiçaram boas chances de ampliar o marcador. O segundo foi parado com falta dentro da área, não marcada pelo juiz. Pedroso, Brunella e Zico também entraram e justificaram a boa fase.

Semifinal: Cásper x FAAP
Antes do início da partida, dois problemas: Guiga, sem documentação, e Espiga, machucado, não podiam sair jogando. Zico (20), apontado por muitos como grande revelação do time, teve sua primeira chance como titular. Negão (13) entrou para fechar o meio de campo. O resto da escalação era a mesma da partida anterior.

No primeiro tempo, a Cásper criou poucas oportunidades de gol. A boa marcação da FAAP não dava boas condições de finalização aos atacantes Vitor e Cenoura. Em alguns contra-ataques, os mauricinhos até chegaram a assustar a meta de Denzel, mas nada com muito perigo. Na segunda etapa, Guiga entrou no lugar de Vina e deu mais fluência ao ataque casperiano. Kalil chegou perto de abrir o marcador, mas foi parado pelo arqueiro adversário. O jogo parecia caminhar para as penalidades quando a FAAP finalmente conseguiu dar o troco pela derrota de 2009. O atacante mauricinho, impedido, aproveitou o rebote de um escanteio do outro lado do campo e fez o único gol da partida, até então, dominada pelos casperianos. Os guerreiro da Paulista reclamaram da posição irregular do centro-avante adversário criando um atrito perigoso na partida. Em um lance duvidoso, que gerou uma grande confusão, o árbitro expulsou um atleta de cada equipe. Chocolate entrou no finalzinho para tentar o gol de empate, mas já era tarde demais.

A Cásper encerrou sua campanha no Juca 2010 em terceiro lugar e volta para SP com a missão de salvar o ano, bastante promissor na Liga Paulista, onde tem 100% de aproveitamento após duas partidas.

“O elenco inteiro está de parabéns. Dá um prazer do caralho ver o time se doando tanto. Amo trabalhar aqui e ainda vou conquistar o Juca pela Cásper” afirmou o técnico Ladá.

Colaborou: Tomás El Ponei


O Juca dos Injustos

junho 2, 2010

Atlética Cásper Líbero

Injusto é treinar desde Agosto do ano anterior para uma competição que dura apenas quatro dias. Quatro dias para apenas três jogos. Três jogos que podem nem ser três, no caso de uma eliminação precoce.

Injusto é sacrificar tanto. Perder tanta coisa ao longo de um ano por apenas quatro dias. Quatro dias que poderiam ser aproveitados de muitas outras maneiras. Quatro dias que irão passar num piscar de olhos. E logo se tornarão mais um ano interminável até o próximo Corpus Christi. Tudo por causa desse Juca.

É por causa do Juca que você, atleta, não vai mais escapar da DP. É por causa do Juca que o teu namoro está caindo aos pedaços. É por causa do Juca que muitos dos teus amigos te odeiam por não ter mais tempo pra eles. É por causa do Juca que você passa a semana inteira com sono no trabalho. É por causa desse maldito Juca que o teu ombro, costas, cotovelo, pulso, joelho, tornozelo e canela estão cheios de marcas e dores insuportáveis.

Injusto é ser casperiano. Maldita foi a tua escolha de faculdade na hora de prestar o vestibular. Injusto é esse vício que você tem de contar as horas até o próximo treino. E os dias até o próximo jogo. É essa ansiedade desgraçada que não te deixa dormir direito. Essa adrenalina irritante que te faz tremer toda vez que alguém menciona essa sigla maldita: JUCA

Nunca na vida você foi tão injustiçado. Nunca sofreu tanto nem ficou tão desgastado. E o maior culpado disso é você, atleta. Você que não houve seus pais quando eles reclamam dos horários dos treinos. Você que gasta todo seu salário em gasolina para jogar nos fins de semana na casa do chapéu. Você que teima em acreditar que voltará pra casa com um pedaço de metal pendurado no pescoço. Você é o mais injusto de todos nessa história. Injusto consigo mesmo.

E agora, caro atleta, você tem quatro dias para acertar as contas. Você e esse grupo de desesperados que dividem as mesmas lágrimas, as mesmas dores, as mesmas angústias e o mesmo sangue.. vocês têm míseros quatro dias para fazer todo esse sacrifício valer a pena. Sim, atleta. Você está dentro do seleto grupo que pode mudar a história de um ano inteiro e torná-lo inesquecível em apenas quatro dias.

Agora, pergunte-se: quanta gente pode se dar o mesmo luxo?

Injusto, não?

Portanto, atleta, faça justiça neste Juca:
Pelos que acreditam em você,
Pelos que sofrem como você,
E, principalmente, por você.

Duda Mendonza
Maldito e Injusto

Injusto é treinar desde Agosto do ano anterior para uma competição que dura apenas quatro dias. Quatro dias para apenas três jogos. Três jogos que podem nem ser três, no caso de uma eliminação precoce.

Injusto é sacrificar tanto. Perder tanta coisa ao longo de um ano por apenas quatro dias. Quatro dias que poderiam ser aproveitados de muitas outras maneiras. Quatro dias que irão passar num piscar de olhos. E logo se tornarão mais um ano interminável até o próximo Corpus Christi. Tudo por causa desse Juca.

É por causa do Juca que você, atleta, não vai mais escapar da DP. É por causa do Juca que o teu namoro está caindo aos pedaços. É por causa do Juca que muitos dos teus amigos te odeiam por não ter mais tempo pra eles. É por causa do Juca que você passa a semana inteira com sono no trabalho. É por causa desse maldito Juca que o teu ombro, costas, cotovelo, pulso, joelho, tornozelo e canela estão cheios de marcas e dores insuportáveis.

Injusto é ser casperiano. Maldita foi a tua escolha de faculdade na hora de prestar o vestibular. Injusto é esse vício que você tem de contar as horas até o próximo treino. E os dias até o próximo jogo. É essa ansiedade desgraçada que não te deixa dormir direito. Essa adrenalina irritante que te faz tremer toda vez que alguém menciona essa sigla maldita: JUCA

Nunca na vida você foi tão injustiçado. Nunca sofreu tanto nem ficou tão desgastado. E o maior culpado disso é você, atleta. Você que não houve seus pais quando eles reclamam dos horários dos treinos. Você que gasta todo seu salário em gasolina para jogar nos fins de semana na casa do chapéu. Você que teima em acreditar que voltará pra casa com um pedaço de metal pendurado no pescoço. Você é o mais injusto de todos nessa história. Injusto consigo mesmo.

E agora, caro atleta, você tem quatro dias para acertar as contas. Você e esse grupo de desesperados que dividem as mesmas lágrimas, as mesmas dores, as mesmas angústias e o mesmo sangue.. vocês têm míseros quatro dias para fazer todo esse sacrifício valer a pena. Sim, atleta. Você está dentro do seleto grupo que pode mudar a história de um ano inteiro e torná-lo inesquecível em apenas quatro dias.

Agora, pergunte-se: quanta gente pode se dar o mesmo luxo?

Injusto, não?

Portanto, atleta, faça justiça neste Juca:

Pelos que acreditam em você,

Pelos que sofrem como você,

E, principalmente, por você.

Duda Mendonza

Maldito e Injusto


Andaluzia perde, mas ainda sonha

maio 24, 2010

Andaluzia FC

Equipe deixa escapar classificação nos Jogos da Cidade e vê chances de classificação mais longe

Duda Mendonza
Assessoria de Imprensa

Neste último domingo, 23/05, o Andaluzia tinha a difícil missão de vencer o Vila Mariana F.A. e praticamente garantir a classificação para a próxima fase. O que se viu, entretanto, foi um Andaluzia cansado e envolvido pela forte disciplina tática do adversário.

O Jogo
Os europeus saíram com Nill, Mailão, Espiga, Allan e Penharol, além do fixo Pinochet, que iniciou no banco de reservas. Da mesma forma que fizeram na estréia, os andaluzes se fecharam em seu campo de defesa, mas, desentrosados, não conseguiram cobrir todos os espaços. O Vila Mariana se aproveitou dos descuidos da defesa andaluz e abriu o placar. Sem muitas opções de ataque, o Andaluzia tentava assustar com chutes de longe de Allan, Pinochet e Espiga. A boa colocação da defesa adversária impedia o time de chegar a uma chance clara de gol, para desespero do pivô, Penharol. O astro uruguaio reclamava da arbitragem que fazia vista grossa para as fortes, e desleais, entradas do camisa 3 adversário. Em uma delas, o juiz novamente não apitou falta e permitiu que o Vila Mariana convertesse o contra-ataque no seu segundo gol.

Desesperado, o Andaluzia colocou seu goleiro-linha em quadra, mas, diferente do que ocorreu na estréia, não conseguiu envolver o adversário. Desentrosados e cansados pela falta de ritmo, os andaluzes assistiram o Vila Mariana anotar o terceiro gol ainda antes do intervalo.

Ao retornar do vestiário, os espanhóis demonstraram estar decididos a buscar o empate. Em cobrança de escanteio pela direita, Espiga achou Pinochet dentro da área. O fixo, com categoria, acertou belo chute de primeira, colocando por baixo das pernas do arqueiro: 3×1. Ainda antes de o adversário poder se recuperar do golpe, o Andaluzia diminuiu novamente a diferença em rápido contra-ataque. Espiga dominou pela direita e passou para Mailão, sem marcação, na cara do gol. O veterano de Mogi não perdoou e tocou na saída do goleiro para fazer o segundo gol andaluz.

Com o placar em 3×2, a partida parecia tomar outro rumo. Mesmo cansados, os andaluzes brigavam para conseguir o gol de empate. Quase conseguiram com Allan em chute cruzado pela esquerda e, no contragolpe do V.M., uma ducha de água fria: 4×2. O Andaluzia viu suas chances escapando e finalmente perdeu as esperanças graças ao juiz da partida. O árbitro interpretou erroneamente lance de Penharol ao dividir com o camisa 3 adversário e expulsou o pivô do Uruguai, deixando os andaluzes com apenas 4 homens em quadra. Ainda assim, a equipe européia quase chegou ao terceiro gol com Pinochet. O arqueiro Nill ainda impediu que o Vila Mariana ampliasse o placar com ótimas defesas no final da partida.

O Andaluzia, com 3 pontos e 0 gol de saldo, ainda sonha com a classificação. Mas dependerá de uma combinação de resultados para que siga vivo na competição que encerra sua primeira fase no dia 13 de Junho.


Andaluzia estréia nos Jogos da Cidade com vitória

maio 17, 2010

Equipe desfalcada derrotou o atual campeão regional por 4×2

Duda Mendonza
Assessoria de Imprensa

Na manhã do último domingo, 16/5, os andaluzes tiveram que acordar cedo para fazer sua partida de estréia pelos Jogos da Cidade. Desfalcada (grande parte da equipe foi convocada para defender a seleção de futsal da Cásper Líbero na Liga Paulista Universitária), a equipe do velho continente jogou os dois tempos inteiros com os mesmos cinco jogadores: Ladá, Mailão, Negão, Espiga e Peñarol.

Do outro lado, a equipe dos Boleiros da Saúde, atual campeã regional da Sub-Prefeitura da Vila Mariana, previa uma partida fácil. Generosos, os Boleiros permitiram uma tolerância de 25 minutos de atraso para que Peñarol pudesse chegar e completar o elenco andaluz.

O Jogo
Sem nenhuma troca no banco de reservas, o Andaluzia se fechou em seu campo de defesa para dificultar o jogo do adversário o máximo possível sem se cansar muito. Ladá, improvisado na posição de goleiro (o arqueiro titular Nill não compareceu sem prévio aviso), fez milagres quando a muralha erguida por Mailão, Espiga e Negão não funcionava. O único posicionada à frente da intermediária era o pivô Peñarol que, juntamente com Espiga, puxava os contra-ataques da equipe espanhola. Contudo, foi dos pés de Negão que saiu o primeiro gol da partida. O ala de Zimbábue acertou um belo chute cruzado de direita após se livrar do marcador perto da linha lateral.

O gol surpreendeu os Boleiros que partiram para cima em busca do empate. Embora controlasse a maior parte da posse de bola, a equipe da Saúde não conseguia achar espaços para finalizações com qualidade. Espiga e Mailão cansaram de tomar boladas (em uma delas, Mailão chegou a ficar sem ar após defender chute com o estômago) e Ladá demonstrou ter reflexos de sobra para defender a porteira andaluz.

O Andaluzia continuou explorando os contra-ataques e conseguiu ampliar a vantagem com Espiga. O ala partiu em velocidade pela esquerda e, após bate-rebate com o goleiro, acertou um voleio com o gol vazio: 2×0. A reação dos Boleiros veio logo em seguida ao aproveitar um passe errado do Andaluzia, que utilizava o goleiro-linha: 2×1.

Ainda antes do fim da primeira etapa, Espiga recebeu o cartão amarelo por cometer falta perigosa no ala adversário. Inconformado, o camisa 14 deu o troco com um belo gol de bola parada. Negão cobrou falta rasteira pela direita e Espiga acertou uma paulada de primeira no ângulo do arqueiro da Saúde. O gol deu mais tranquilidade para a equipe, que foi para o intervalo com dois gols de diferença.

Ao voltar para a etapa final, o Andaluzia veio determinado a impor seu domínio na partida. Logo no primeiro lance, os europeus fizeram uma jogada ensaiada com o goleiro-linha Ladá. O vocalista da banda Skank fez belo lançamento para Peñarol que girou para cima do defensor e acertou um belo passe para Espiga, livre de marcação e do lado da trave. Este teve apenas o trabalho de empurrar a bola para as redes e sair para o abraço: 4×1.

O que se viu no restante da partida foi praticamente uma reprise da primeira etapa. Os Boleiros continuaram controlando a posse de bola, mas sem criatividade para furar o forte bloqueio andaluz. Já os espanhóis procuravam gastar o tempo usando o goleiro-linha e tentando matar o jogo nos contra-ataques. Peñarol e Espiga perderam duas oportunidades claras de gol. Nas duas situações poderiam ter passado a bola para o colega melhor posicionado, mas erraram na conclusão.

A poucos minutos do fim, a equipe da Saúde ainda conseguiu diminuir o placar para 4×2, mas logo viu suas chances de reação serem frustradas pelo apito final do juiz.

Graças à vitória, o Andaluzia deu um grande passo rumo à classificação (apenas o líder de cada grupo avança para a próxima fase). “Vencer na estréia é muito importante numa competição como essa. Ainda mais quando é contra a equipe considerada a mais forte do grupo.” afirmou o comandante Espigamovic. A equipe espanhola entra em quadra novamente já no próximo fim de semana contra o Vila Mariana F.A. “Será o jogo mais importante desta primeira fase, pois definirá quem terá chances de se classificar e quem ficará de fora da briga” prevê Ladá.

Ficha Técnica:
Gols:
Espiga (3) e Negão (1) – Andaluzia
Jordy (1) e Crouch (1) – Boleiros
Cartão Amarelo: Espiga – Andaluzia
Arbitragem: Ruim
Público: Espiguete

Andaluzia estréia nos Jogos da Cidade com vitória

Equipe desfalcada derrotou o atual campeão regional por 4×2

Duda Mendonza

Assessoria de Imprensa

Na manhã do último domingo, 16/5, os andaluzes tiveram que acordar cedo para fazer sua partida de estréia pelos Jogos da Cidade. Desfalcada (grande parte da equipe foi convocada para defender a seleção de futsal da Cásper Líbero na Liga Paulista Universitária), a equipe do velho continente jogou os dois tempos inteiros com os mesmos cinco jogadores: Ladá, Mailão, Negão, Espiga e Peñarol.

Do outro lado, a equipe dos Boleiros da Saúde, atual campeã regional da Sub-Prefeitura da Vila Mariana, previa uma partida fácil. Generosos, os Boleiros permitiram uma tolerância de 25 minutos de atraso para que Peñarol pudesse chegar e completar o elenco andaluz.

O Jogo

Sem nenhuma troca no banco de reservas, o Andaluzia se fechou em seu campo de defesa para dificultar o jogo do adversário o máximo possível sem se cansar muito. Ladá, improvisado na posição de goleiro (o arqueiro titular Nill não compareceu sem prévio aviso), fez milagres quando a muralha erguida por Mailão, Espiga e Negão não funcionava. O único posicionada à frente da intermediária era o pivô Peñarol que, juntamente com Espiga, puxava os contra-ataques da equipe espanhola. Contudo, foi dos pés de Negão que saiu o primeiro gol da partida. O ala de Zimbábue acertou um belo chute cruzado de direita após se livrar do marcador perto da linha lateral.

O gol surpreendeu os Boleiros que partiram para cima em busca do empate. Embora controlasse a maior parte da posse de bola, a equipe da Saúde não conseguia achar espaços para finalizações com qualidade. Espiga e Mailão cansaram de tomar boladas (em uma delas, Mailão chegou a ficar sem ar após defender chute com o estômago) e Ladá demonstrou ter reflexos de sobra para defender a porteira andaluz.

O Andaluzia continuou explorando os contra-ataques e conseguiu ampliar a vantagem com Espiga. O ala partiu em velocidade pela esquerda e, após bate-rebate com o goleiro, acertou um voleio com o gol vazio: 2×0. A reação dos Boleiros veio logo em seguida ao aproveitar um passe errado do Andaluzia, que utilizava o goleiro-linha: 2×1.

Ainda antes do fim da primeira etapa, Espiga recebeu o cartão amarelo por cometer falta perigosa no ala adversário. Inconformado, o camisa 14 deu o troco com um belo gol de bola parada. Negão cobrou falta rasteira pela direita e Espiga acertou uma paulada de primeira no ângulo do arqueiro da Saúde. O gol deu mais tranquilidade para a equipe, que foi para o intervalo com dois gols de diferença.

Ao voltar para a etapa final, o Andaluzia veio determinado a impor seu domínio na partida. Logo no primeiro lance, os europeus fizeram uma jogada ensaiada com o goleiro-linha Ladá. O vocalista da banda Skank fez belo lançamento para Peñarol que girou para cima do defensor e acertou um belo passe para Espiga, livre de marcação e do lado da trave. Este teve apenas o trabalho de empurrar a bola para as redes e sair para o abraço: 4×1.

O que se viu no restante da partida foi praticamente uma reprise da primeira etapa. Os Boleiros continuaram controlando a posse de bola, mas sem criatividade para furar o forte bloqueio andaluz. Já os espanhóis procuravam gastar o tempo usando o goleiro-linha e tentando matar o jogo nos contra-ataques. Peñarol e Espiga perderam duas oportunidades claras de gol. Nas duas situações poderiam ter passado a bola para o colega melhor posicionado, mas erraram na conclusão.

A poucos minutos do fim, a equipe da Saúde ainda conseguiu diminuir o placar para 4×2, mas logo viu suas chances de reação serem frustradas pelo apito final do juiz.

Graças à vitória, o Andaluzia deu um grande passo rumo à classificação (apenas o líder de cada grupo avança para a próxima fase). “Vencer na estréia é muito importante numa competição como essa. Ainda mais quando é contra a equipe considerada a mais forte do grupo.” afirmou o comandante Espigamovic. A equipe espanhola entra em quadra novamente já no próximo fim de semana contra o Vila Mariana F.A. “Será o jogo mais importante desta primeira fase, pois definirá quem terá chances de se classificar e quem ficará de fora da briga” prevê Ladá.

Ficha Técnica:

Gols: Espiga (3) e Negão (1) – Andaluzia

Jordy (1) e Crouch (1) – Boleiros

Cartão Amarelo: Espiga – Andaluzia

Arbitragem: Ruim

Público: Espiguete


Nem Ganso, Nem Neymar

maio 11, 2010

Concordo com o Dunga. Apesar de todo o oba-oba que os “Meninos da Vila” causaram com futebol que dá gosto de assistir, o técnico da Seleção preveniu atletas, imprensa e torcida de voltarem ao modelo que fracassou em 2006.

Dunga foi colocado à frente da equipe nacional com um objetivo principal: resgatar o orgulho de vestir a amarelinha. Para isso, foram necessários árduos quatro anos para formar o elenco ideal que irá disputar a Copa do Mundo na África do Sul. Com uma ou duas exceções, todos os integrantes da lista de Dunga são jogadores considerados “mais ou menos”, “não renomados”, “não decisivos”, etc. Coisa que em 2006, na Alemanha, tínhamos de sobra. Para cada posição havia um craque. Não deu certo.

O que vemos hoje é um grupo aplicado, disposto a defender a Seleção Canarinho com o próprio sangue se for preciso. Exatamente o que foi pedido à Dunga quando ele assumiu seu cargo atual. O que me faz voltar ao assunto do título: Neymar e Ganso, sem dúvida, são dois atletas fora de série e que, com certeza, possuem muito a oferecer e demonstrar. Contudo, provaram que também têm muito que aprender. É muito fácil ser considerado estrela no futebol hoje em dia. Saber lidar com esse rótulo é o que define se o atleta irá longe ou não. Para um ídolo ser tachado de vilão são dois palitos. Basta uma derrota aqui e ali, e lá se vai o oba-oba.

Os craques da Vila ainda não estão prontos para ir à uma Copa do Mundo. Se ao menos tivessem demonstrado esse futebol no ano passado, quando as lacunas ainda não haviam sido preenchidas por Dunga, talvez pintasse um teste em algum amistoso.

Enfim, os dois ainda são bastante jovens. Podem fazer história no futebol mundial. Mas precisam ter muito cuidado com suas atitudes dentro e fora de campo. Ser considerado estrela/ídolo não dá a ninguém o direito de ser prepotente. Atitude que já começa a fazer parte da personalidade dos dois (vide o comercial abaixo):

Seja ordem do patrocinador, ou não, Ganso e Neymar estão usando a camisa da Seleção. Podia ser uma camisa amarela, simplesmente. Mas o escudo da CBF se vê nitidamente nas cenas do comercial. Se os dois achavam que isso iria ajudá-los, se enganaram.

Quanto à lista dos convocados para defender a Seleção Brasileira na Copa do Mundo 2010 – África do Sul:

Goleiros
Júlio César
Gomez
Doni

Zagueiros
Lúcio
Juan
Luisão
Thiago Silva

Laterais
Maicon
Daniel Alves
Michel Bastos
Gilberto

Volantes
Gilberto Silva
Felipe Melo
Josué
Kléberson

Meias
Elano
Ramirez
Kaká
Júlio Baptista

Atacantes
Luís Fabiano
Robinho
Nilmar
Grafite

Existem atletas, que foram convocados durante o mandato de Dunga (portanto, aptos à uma convocação para a Copa), que mereciam estar aí (pelo futebol apresentado com a camisa amarela) bem mais do que alguns. Grafite e Gilberto, por exemplo. Tiveram poucas convocações e pouquíssimo futebol apresentado.

O único atleta que não foi convocado nestes quatro anos e que merece uma convocação, pela carência de alguém de confiança na posição, é o Roberto Carlos. Chegando perto dos 40 anos, demonstra ter mais pique que os “europeus” de Dunga e, de longe, joga muito mais bola que eles.