Pai e Filho: Mais Tempo (More Time)

abril 26, 2011

Hoje o @emorise me deu uma ótima indicação sobre um comercial asiático muito foda. Até agora não achei nada que capture melhor o sentimento do Filho em relação ao Pai. Assitam o vídeo abaixo. Valeu, Kim! =)


Em breve…

abril 7, 2011

Encalhada ou neurótica?

Sei que vocês estavam esperando ansiosamente (#NOT!), ainda nesta semana irei postar o incrível resultado daquela enquete sobre comportamento feminino nos relacionamentos. Em breve!


Até que a morte os separe

março 25, 2011

Casamento

Hoje é aniversário de casamento de 32 anos dos meus pais. Uma marca quase impensável hoje em dia. Olho ao redor e às vezes me esqueço da sorte que tive. Já perdi a conta de quantos conhecidos meus têm pais divorciados, ou separados, ou simplesmente os perderam por alguma razão. Meus pais hoje representam uma geração que, apesar de tudo, resiste as adversidades para manter um juramento consagrado no matrimônio: “Até que a morte os separe”.

Ao pensar na força que essas palavras tem, é difícil calcular o quanto uma pessoa precisa amar a outra para assumir um compromisso como esse. Um compromisso que precisa ser assumido por vontade própria, e não por imposição. Se não, qualquer problema um pouco mais sério que aparecer já será motivo para separação, para o divórcio.

Esta mais do que claro que meus pais não têm um relacionamento perfeito. E se existe aí algum casal que tenha, me desculpe, mas só acredito vendo. Já foram tantas discussões, tantas discordâncias e brigas lá em casa, e mesmo assim eles continuam juntos e fortes. É injusto querer que eles sintam toda aquela paixão dos primeiros meses, trinta anos depois. Isso é impossível. Mas eles são mais do que amantes agora. São parceiros para a vida toda. São uma família, com filhos, casa, responsabilidades.
Ninguém melhor do que você mesmo para decidir o que fazer com a sua vida. As decisões que você toma para seu futuro são as mais pessoais possíveis. E dividir essas decisões com uma pessoa é o mais alto nível de intimidade que se pode ter com alguém.

Por isso, quando se escolhe alguém para passar o resto da vida, ela é mais do que o/a homem/mulher dos sonhos. Ela será a parte mais importante da vida. Mais importante até do que a sua. Não por imposição, mas por escolha. E meus pais fizeram a escolha certa. E hoje, eu acredito que eles mais colhem frutos do que arcam com consequências dessa escolha. Estão juntos porquê querem. E ficarão juntos para sempre, até que a morte os separe.

Hoje é aniversário de casamento de 32 anos dos meus pais. Uma marca quase impensável hoje em dia. Olho ao redor e às vezes me esqueço da sorte que tive. Já perdi a conta de quantos conhecidos meus têm pais divorciados, ou separados, ou simplesmente os perderam por alguma razão. Meus pais hoje representam uma geração que, apesar de tudo, resiste as adversidades para manter um juramento consagrado no matrimônio: “Até que a morte os separe”.

Ao pensar na força que essas palavras tem, é difícil calcular o quanto uma pessoa precisa amar a outra para assumir um compromisso como esse. Um compromisso que precisa ser assumido por vontade própria, e não por imposição. Se não, qualquer problema um pouco mais sério que aparecer já será motivo para separação, para o divórcio.

Esta mais do que claro que meus pais não têm um relacionamento perfeito. E se existe aí algum casal que tenha, me desculpe, mas só acredito vendo. Já foram tantas discussões, tantas discordâncias e brigas lá em casa, e mesmo assim eles continuam juntos e fortes. É injusto querer que eles sintam toda aquela paixão dos primeiros meses, trinta anos depois. Isso é impossível. Mas eles são mais do que amantes agora. São parceiros para a vida toda. São uma família, com filhos, casa, responsabilidades.
Ninguém melhor do que você mesmo para decidir o que fazer com a sua vida. As decisões que você toma para seu futuro são as mais pessoais possíveis. E dividir essas decisões com uma pessoa é o mais alto nível de intimidade que se pode ter com alguém.

Por isso, quando se escolhe alguém para passar o resto da vida, ela é mais do que o/a homem/mulher dos sonhos. Ela será a parte mais importante da vida. Mais importante até do que a sua. Não por imposição, mas por escolha. E meus pais fizeram a escolha certa. E hoje, eu acredito que eles mais colhem frutos do que arcam com consequências dessa escolha. Estão juntos porquê querem. E ficarão juntos para sempre, até que a morte os separe.


Até o fim

março 7, 2011

Pare um pouco.. e pense: Você foi mesmo até o fim? Realmente fez tudo o que podia? Valeu a pena ter ido tão longe só para chegar na reta final, e parar no meio dela? Por que você parou? Tá muito difícil? Queria que fosse fácil? E se fosse fácil? Você daria valor? Acho que não. Se fosse fácil, você nem teria tentado. Na verdade, você já teria conseguido.

E agora? Falta tão pouco. Um imprevisto? Dá um jeito. Pra tudo se pode dar um jeito. Se não tiver um jeito, então cria um. Foda-se. O que você tem a perder? Já foi tudo por água abaixo mesmo. Não é por isso que você vai desistir? Então, foda-se! Pior do que fracassar é não tentar. Tá com medo de fracassar? Parabéns! Você é humano, assim como todos nós. Sabe o que vai te dar medo de verdade? É ficar lembrando de tudo o que você poderia ter feito… e não fez. Já passou por isso? Aposto que sim. Aposto que você detesta esse sentimento. Essa frustração.

Então lembre-se: essa porra só termina após cruzar a linha de chegada. Você vai, ao menos, cruzar a linha de chegada né? É o mínimo que você pode fazer depois de ter chegado até onde está. Seria uma falta de respeito com você mesmo não ir até o fim. Você merece ir até o fim. Só você sabe o quanto ralou para chegar até onde está. Se não for para terminar vitorioso, pelo menos termine com a conciência limpa. Caso contrário, vai sentir nojo toda vez que se olhar no espelho.

Agora levanta, respira fundo, e vai.. até o fim.


O conto de fadas

outubro 25, 2010

Encalhada

Este post é para você, garota/mulher/moça/menina desiludida com o amor. Você, que ainda vive no conto de fadas. Você que acha que o príncipe encantado virá ao seu resgate e lhe dará a vida que sempre sonhou. Para você que ainda está esperando, apesar de ter perdido quase todas as esperanças, e sempre se pergunta: “Por que que eu só escolho os caras errados?”, “Por que os relacionamentos de todo mundo dão certo menos os meus?”, “Cadê meu conto de fadas com final feliz?”, “Por que que eu só me fodo?”.

Sim, este post é para você. Pra dizer pra você não perder as esperanças. Continue dando a cara para bater. Esse é o primeiro passo para encontrar o homem da sua vida. Mas caia na real. Se você quer que seu conto de fadas aconteça, faça-o acontecer. Pense bem: em todos os contos de fada, a mulher tem que fazer uma correira danada para conquistar o príncipe encantado. A Cinderela tava na merda e quase perdeu a vida só pra ter alguns minutinhos com o príncipe; a Pequena Sereia teve que abrir a mão de sua própria voz só pra tentar roubar um beijo do seu prometido; a Branca de Neve quase morreu nas mãos da bruxa pra chamar a atenção do seu amor, sem falar da Bela que teve de domesticar a Fera até esta se transformar no homem ideal.

Se até no conto de fadas o amor é difícil, imagine na vida real! Por isso, não desista. Todas essas desilusões  que você está enfrentando servirão para dar um gosto especial quando você finalmente encontrar a sua cara-metade. Cada relacionamento que não dá certo, é um mais próximo que você fica do relacionamento ideal. E você ganha experiência. Você sabe, hoje, muito mais do que sabia ontem. E quando a sua alma-gêmea finalmente aparecer, você saberá lidar melhor com os problemas que com certeza surgirão com ela. Lembre-se: o que faz um relacionamento dar certo, não é simplesmente a paixão linda e maravilhosa dos primeiros encontros, mas sim o quão bem são resolvidos os problemas que aparecem depois dessa fase. Para isso, as duas partes devem estar dispostas a ceder igualmente uma pela outra. E o mais importante: Os dois são livres para fazer o que quiserem, onde quiserem e com quem quiserem. E o que cada um decide fazer com essa liberdade é justamente o que definirá se esse relacionamento dará certo ou não.

😉


O sucesso de Os Simpsons (via Blog do Rouco)

agosto 11, 2010

Muito bacana! Incrível como uma série de TV pode exercer tanta influência no mundo real.

O sucesso de Os Simpsons Não sou fã incondicional do premiado, ou até épico, desenho da TV americana, Os Simpsons. Mas não precisa ser nenhum aficcionado, como meu amigo-piloto Rodrigo, para se render e admitir que os números representados pela animação de Matt Groening são mesmo impressionantes. Segue abaixo um infográfico (enviado pelo Dedé, assim como outros milhares por semana…rs), muito bem feito diga-se de passagem, que mostra 15 marcas incontestáveis da série. A … Read More

via Blog do Rouco


Aonde o Dunga errou?

julho 11, 2010

Dunga

Errou? Com certeza. Mas fez exatamente o que se pediu dele desde o momento em que foi chamado para assumir o comando da Seleção Brasileira: resgatar o amor à camisa amarela.

Ao perder para a França em 2006, eram poucos os jogadores que estampavam frustração no rosto. Não me lembro de ter visto nenhum deles chorar. Parecia que era apenas mais um jogo que se podia ganhar ou perder. Vergonha. Mas desta vez foi diferente. Por mais que tenha sido de maneira infantil e irresponsável, o Brasil foi eliminado apenas depois de ter lutado até o último minuto. Mesmo desorganizado e sem muita qualidade, o que se viu foram onze jogadores determinados a lutar pela vitória, coisa rara na seleção de 2006.

Então onde foi que o Dunga errou? Na convocação? Na falta de experiência? Na falta de tranquilidade?

Dunga fez o que se pediu dele. Desde a primeira partida convocou quem ele acreditava querer brigar até a morte para conquistar um lugar na seleção. E muitos foram caindo ao longo do tempo. No fim, não sobraram os melhores, mas os mais dedicados. E foram justamente esses dedicados que conquistaram mais uma Copa América, mais uma Copa das Confederações e mais uma Medalha Olímpica. E não vamos esquecer: das mais de 200 seleções ranqueadas na FIFA, ficamos entre as 8 finalistas da competição mais cobiçada do planeta. Tem gente que sequer se classificou! Que sequer pode ver seu país participar deste grande evento. E o povo brasileiro, ao invés de celebrar este grande feito, prefere dizer que foi um fiasco. Um fracasso. E, como todo bom brasileiro, coloca a culpa em alguém: neste caso, o Dunga.

Justo ele que corrigiu aquilo de que mais reclamamos em 2006: a falta de amor à camisa. A verdade é que, o Dunga pode até ter errado em alguns aspectos. Não há a menor dúvida disso. Mas o Brasil também errou. Errou ao pensar que, só porque é o Brasil, tem obrigação de ganhar de todos os outros. Já está mais do que claro que não temos a melhor seleção do mundo. A torcida calça um salto alto em todas as partidas que até chega a ser irritante. Quando ganha, não convence. Quando perde, é uma vergonha. Não existe mais equipe fraca. O futebol é o único esporte onde o melhor nem sempre é o vencedor. Principalmente em um mata-mata.

Agora convenhamos: a Holanda realmente jogou melhor. Robben, Sneijder e Kuyt foram melhores que Kaká, Robinho e Luís Fabiano. Fato. E ainda querem apontar aonde foi que Dunga errou? Quando é que o Brasil finalmente irá reconhecer que o rival simplesmente foi melhor? Colocar a culpa na própria seleção é muita prepotência. É não querer admitir a superioridade do rival.

Portanto, meus caros, Dunga errou sim. Errou como qualquer outro ser humano erraria. E mesmo que não tivesse errado e montado a Seleção perfeita, isso não mudaria o fato de que a Holanda jogou melhor.

Parabéns Dunga e jogadores por resgatarem o amor pela camisa.