Uma Visão Machista sobre o Dia da Mulher

março 12, 2010

Dia Internacional da Mulher

O Dia Internacional da Mulher representa a conquista da igualdade entre os sexos. A independência financeira perante ao homem. A luta por uma antes subordinada criatura que se via injustiçada em inúmeros aspectos e a conquista por direitos e liberdades que, antes, eram usufruídos apenas por seres do sexo masculino. Por esses animais mal-educados, orgulhosos e arrogantes que consideram a mulher física e intelectualmente inferior.

Não preciso entrar na discussão de que a mulher já é – e sempre foi – capaz de rivalizar com o homem de igual para igual em todos os quesitos. Todos… exceto um: relacionamentos.

Há tempos tenho ouvido mulheres reclamarem do tratamento que recebem de seus respectivos amantes, casos, ficantes, namorados, noivos, maridos, peguetes, paqueras, etc. Reclamam sobre como muitos deles não são cavalheiros, não dão bola, não pagam a conta, não abrem a porta do carro, inventam desculpas, não compram presentes, não falam “te amo”, não correm atrás, não ligam, não lhes dão preferência, não sonham com elas, não são sinceros, não respeitam, enfim… É uma lista enorme de reclamações que, se deixar, posso me estender por horas só para escrever um terço delas.

Muitas mulheres dizem que o homem tem certas “obrigações” quando o assunto é “relacionamentos”. Obrigações e atitudes que, se o homem não estiver disposto a fazer, significam que ele não é o “cara certo”. Tomar a iniciativa, ligar no dia seguinte, pagar as contas, pedir em casamento, entre outras. Todas, absolutamente todas, pregadas por um sistema de tradições e clichês conservadores e, surpreendentemente, machistas! Tudo o que a maioria das mulheres espera de um homem é completamente contra tudo o que a mulher tem lutado nos últimos séculos! A liberdade de fazer o que quiser, quando,onde e com quem quiser.

A mulher de hoje já é auto-suficiente, já pode cuidar de si e pagar suas próprias contas. Certamente também é capaz de escolher seu parceiro. Porém, ainda são poucas as mulheres que tem coragem de tomar a iniciativa. É! Aquela primeira iniciativa que quase sempre cabe ao homem. Muitas delas (provavelmente você também), no máximo, dão a entender que estão interessadas, mas não movem um dedo antes que o homem manifeste verbalmente (ou fisicamente) o seu interesse. Pensam que “se ele não vier atrás, quer dizer que ele não me quer”, e “se quiser e mesmo assim não vier, é sinal de que é inseguro”. Ou seja, se os homens também pensarem isso sobre as mulheres, em 99% dos casos irão pensar que as mulheres não os querem. “Nada a ver! Quem tem que tomar a iniciativa é o homem!” Por que? “Porquê sim. Porquê sempre foi assim. É tradição.” Interessante.

Se a maioria das mulheres pensa assim, isso implica dizer que, pelo menos no quesito “relacionamentos”, a mulher ainda é (por auto-intitulação) dependente do homem. “Mas se eu tomar uma iniciativa, ele vai pensar que eu sou vulgar (para não citar outros adjetivos mais sujos)”.

CORREÇÃO: “ELAS vão pensar que você é vulgar”. Elas, que não tem coragem de tomar a iniciativa. Elas que morrem de inveja quando as “outras” vão atrás do homem que querem. Elas, sim, ELAS! Elas que tem medo da mudança, dos tempos modernos. São elas que irão pensar que você é vulgar. Elas que, finalmente com os direitos iguais conquistados, talvez até prefiram não ter.

Enfim, creio que deu pra entender que a postura machista nem sempre é aplicada apenas aos homens. Eu, pessoalmente, adoro quando uma mulher tenta algo comigo. E se for bom, com certeza darei continuidade para, quem sabe, evoluir para algo mais sério. Por que não? As mulheres fazem isso toda hora com os homens que tomam a iniciativa com elas. E nem por isso os consideram vulgares.

Se tudo que as mulheres querem é igualdade, os homens também.

Tenham todas um Feliz Dia da Mulher!