O Rico: JUCA

junho 1, 2011

O Rico - JUCA

Amigo: Você ia pro JUCA na sua época de faculdade?
O Rico: Claro!
Amigo: Você ia com a FAAP?
O Rico: Não. Eu ia com a Adriane Galisteu.

Créditos da imagem: atleticapucsp.blogspot.com

Anúncios

Cásper deixa Série Ouro escapar no finalzinho

junho 22, 2010

Atlética Cásper Líbero

Equipe vencia por diferença de dois gols, mas permitiu a virada da Pinheiros

Duda Mendonza
Assessoria de Imprensa

No primeiro fim de semana pós-Juca, a equipe de Futsal casperiana voltou às quadras para enfrentar a Medicina USP, pelas semifinais da Liga Paulista. A vitória garantiria a vaga na Série Ouro da competição no semestre seguinte. A Aguante compareceu em peso no ginásio Idalina, em São Caetano, e incendiou a partida que emocionou a todos os presentes.

O Jogo
O técnico Dalton e seu auxiliar, Ladá, armaram a equipe para conter o ataque extremamente tático da Pinheiros. Marcando atrás do meio da quadra, Guiga, Cenoura, Kalil e Vina afastavam o perigo da meta de Wesley, que fez uma grande partida. A vibração no banco de reservas intimidava o adversário, relembrando a emoção passada no Juca, uma sema atrás. A Cásper foi crescendo no jogo e criando oportunidades até sair o primeiro gol. Em contra-ataque rápido, puxado por Guiga, Cenoura definiu com um belo chute, indefensável para o arqueiro da USP: 1×0.

No segundo tempo, a Medicina começou a pressionar a saída de bola da Cásper. Sem encontrar opções de passe, Guiga arriscava perigosas jogadas individuais em seu campo de defesa. Quase entregou o gol de empate de bandeja em uma delas, mas, na sequência, armou mais um contra-ataque matador para os casperianos: 2×0.

Com a diferença de dois gols no placar, ainda restava mais da metade do segundo tempo para o apito final. A Cásper continuou se defendendo como podia, mas permitiu o empate. Primeiro, um pênalti mal marcado pelo juiz permitiu que os médicos diminuíssem a diferença. Depois, um presente da defesa casperiana (gol contra) possibilitou o empate. A poucos minutos do final, o arqueiro Wesley subiu até o meio da quadra para fazer o goleiro-linha, deixando a porteira desprotegida. No contra-ataque, o arqueiro da Med-USP lançou para seu pivô escorar de cabeça para o gol vazio e fechar o placar em 3×2.

“Infelizmente perdemos para nós mesmos. Fizemos uma partida perfeita até a metade do segundo tempo. Depois entramos em desespero e permitimos a virada”, se lamentou o comandante Dalton. Agora, a Cásper só volta a jogar pela Liga Paulista novamente no segundo semestre, quando inicia novamente a caminhada até a Série Ouro da competição, da qual foi vice-campeã no ano anterior.

Colaboraram: Bambu e Lima.


O Juca dos Injustos

junho 2, 2010

Atlética Cásper Líbero

Injusto é treinar desde Agosto do ano anterior para uma competição que dura apenas quatro dias. Quatro dias para apenas três jogos. Três jogos que podem nem ser três, no caso de uma eliminação precoce.

Injusto é sacrificar tanto. Perder tanta coisa ao longo de um ano por apenas quatro dias. Quatro dias que poderiam ser aproveitados de muitas outras maneiras. Quatro dias que irão passar num piscar de olhos. E logo se tornarão mais um ano interminável até o próximo Corpus Christi. Tudo por causa desse Juca.

É por causa do Juca que você, atleta, não vai mais escapar da DP. É por causa do Juca que o teu namoro está caindo aos pedaços. É por causa do Juca que muitos dos teus amigos te odeiam por não ter mais tempo pra eles. É por causa do Juca que você passa a semana inteira com sono no trabalho. É por causa desse maldito Juca que o teu ombro, costas, cotovelo, pulso, joelho, tornozelo e canela estão cheios de marcas e dores insuportáveis.

Injusto é ser casperiano. Maldita foi a tua escolha de faculdade na hora de prestar o vestibular. Injusto é esse vício que você tem de contar as horas até o próximo treino. E os dias até o próximo jogo. É essa ansiedade desgraçada que não te deixa dormir direito. Essa adrenalina irritante que te faz tremer toda vez que alguém menciona essa sigla maldita: JUCA

Nunca na vida você foi tão injustiçado. Nunca sofreu tanto nem ficou tão desgastado. E o maior culpado disso é você, atleta. Você que não houve seus pais quando eles reclamam dos horários dos treinos. Você que gasta todo seu salário em gasolina para jogar nos fins de semana na casa do chapéu. Você que teima em acreditar que voltará pra casa com um pedaço de metal pendurado no pescoço. Você é o mais injusto de todos nessa história. Injusto consigo mesmo.

E agora, caro atleta, você tem quatro dias para acertar as contas. Você e esse grupo de desesperados que dividem as mesmas lágrimas, as mesmas dores, as mesmas angústias e o mesmo sangue.. vocês têm míseros quatro dias para fazer todo esse sacrifício valer a pena. Sim, atleta. Você está dentro do seleto grupo que pode mudar a história de um ano inteiro e torná-lo inesquecível em apenas quatro dias.

Agora, pergunte-se: quanta gente pode se dar o mesmo luxo?

Injusto, não?

Portanto, atleta, faça justiça neste Juca:
Pelos que acreditam em você,
Pelos que sofrem como você,
E, principalmente, por você.

Duda Mendonza
Maldito e Injusto

Injusto é treinar desde Agosto do ano anterior para uma competição que dura apenas quatro dias. Quatro dias para apenas três jogos. Três jogos que podem nem ser três, no caso de uma eliminação precoce.

Injusto é sacrificar tanto. Perder tanta coisa ao longo de um ano por apenas quatro dias. Quatro dias que poderiam ser aproveitados de muitas outras maneiras. Quatro dias que irão passar num piscar de olhos. E logo se tornarão mais um ano interminável até o próximo Corpus Christi. Tudo por causa desse Juca.

É por causa do Juca que você, atleta, não vai mais escapar da DP. É por causa do Juca que o teu namoro está caindo aos pedaços. É por causa do Juca que muitos dos teus amigos te odeiam por não ter mais tempo pra eles. É por causa do Juca que você passa a semana inteira com sono no trabalho. É por causa desse maldito Juca que o teu ombro, costas, cotovelo, pulso, joelho, tornozelo e canela estão cheios de marcas e dores insuportáveis.

Injusto é ser casperiano. Maldita foi a tua escolha de faculdade na hora de prestar o vestibular. Injusto é esse vício que você tem de contar as horas até o próximo treino. E os dias até o próximo jogo. É essa ansiedade desgraçada que não te deixa dormir direito. Essa adrenalina irritante que te faz tremer toda vez que alguém menciona essa sigla maldita: JUCA

Nunca na vida você foi tão injustiçado. Nunca sofreu tanto nem ficou tão desgastado. E o maior culpado disso é você, atleta. Você que não houve seus pais quando eles reclamam dos horários dos treinos. Você que gasta todo seu salário em gasolina para jogar nos fins de semana na casa do chapéu. Você que teima em acreditar que voltará pra casa com um pedaço de metal pendurado no pescoço. Você é o mais injusto de todos nessa história. Injusto consigo mesmo.

E agora, caro atleta, você tem quatro dias para acertar as contas. Você e esse grupo de desesperados que dividem as mesmas lágrimas, as mesmas dores, as mesmas angústias e o mesmo sangue.. vocês têm míseros quatro dias para fazer todo esse sacrifício valer a pena. Sim, atleta. Você está dentro do seleto grupo que pode mudar a história de um ano inteiro e torná-lo inesquecível em apenas quatro dias.

Agora, pergunte-se: quanta gente pode se dar o mesmo luxo?

Injusto, não?

Portanto, atleta, faça justiça neste Juca:

Pelos que acreditam em você,

Pelos que sofrem como você,

E, principalmente, por você.

Duda Mendonza

Maldito e Injusto


Novela Zeca-Andaluzia perto de final feliz

maio 18, 2010

Andaluzia

Dirigentes confirmam acerto verbal com o atleta que pode defender a equipe européia após a Copa do Mundo

Duda Mendonza
Assessoria de Imprensa


Coxinha (ou Zeca, como gosta de ser chamado) iniciou sua carreira na Cásper em 2009. Foi cortado da equipe de Futsal mas voltou no ano seguinte decidido a ficar no time. Integrante da seleção de Futsal que defenderá a Atlética Jesse Owens no Juca 2010, Zeca despertou interesse nos dirigentes do Andaluzia após uma série de boas atuações entre treinos, amistosos e partidas oficiais deste ano. “Seu desempenho no campeonato interno também ajudou bastante. Ele é decisivo e pode adicionar bastante ao elenco andaluz” afirmou uma fonte interna do Andaluzia que não quis revelar a identidade.

Zeca afirma que está empolgado com a soldagem, mas mantém os pés no chão: “Agora eu só quero pensar no Juca. Venho me preparando para isso desde o começo do ano e espero poder ajudar a Cásper a conquistar mais um título. O que vier depois será consequência.”.

Já eliminado da Copa Gérson, o Real Madruga, atual time do atleta, despontou no ano passado como finalista da Mané Garrincha. Apesar de não repetir o mesmo desempenho nesta temporada, demonstrou poder competitivo para sonhar alto no segundo semestre. “Fico feliz por ter ajudado a equipe a chegar tão longe” afirma Zeca.

O empresário do atleta deve se reunir com os dirigentes do clube europeu na primeira semana após o Juca para acertar a papelada e agendar a apresentação oficial do atleta no CT Claudinha Leite.

Colaborou: J. Florence


Cásper vence rival do Juca na estréia da Liga

maio 3, 2010

Equipe abre o placar, cede o empate, mas desempata no final

Duda Medonza
Assessoria de Imprensa

Às 9h00 do último domingo (2/5), o CEPEUSP foi palco de um dos confrontos mais aguardados do Juca 2010. Cásper e ECA estão frente à frente nas quartas-de-final do Futebol de Campo e tiveram a chance de sentir um gostinho do confronto jogando pela Liga Paulista. A ECA, responsável pela eliminação do Futsal casperiano na edição do Juca 2009, pretendia repetir a dose nos gramados da Cidade Universitária.

Casper Líbero - Futebol de Campo

A Cásper entrou em campo com Denzel, Alex, Jonas, Cauê, Rômulo, Bruno, Vina, Murilo, Guiga, Vítor e Cenoura. Os comandados de Ladá, com apoio do novo assistente técnico Espigamovic, partiram para cima desde o apito inicial e, logo nos primeiros minutos, já testava seu poder de fogo. Cenoura desperdiçou boa oportunidade mas, no ataque seguinte se redimiu. O camisa 18 encontrou Vítor na estrada da área que, com maestria, ajeitou de calcanhar na medida para Guiga que entrava livre pela esquerda. O meia tocou na saída do arqueiro Malerba e abriu o placar da partida.

O gol empolgou a equipe da Paulista, empurrada pela sua torcida Aguante, e os casperianos mantiveram a pressão para ampliar a vantagem. Primeiro Cenoura em rápido contra-ataque, e depois Guiga em forte chute de voleio que parou nas mãos do porteiro ecano.

O comandante Ladá pediu calma aos seus atletas pois cada investida deixava sua defesa mais vulnerável. “Precisamos girar mais a bola. Não é porquê a bola finalmente chegou ao ataque que temos que concluir a jogada.” pedia o professor. Mesmo não conseguindo definir as jogadas com tanta precisão, a Cásper ganhou inúmeros escanteios na primeira etapa, embora não tenha tirado proveito de nenhum deles. Já a ECA apostava nos contra-ataques pelo lado direito da defesa casperiana, onde Alex sofria para marcar sem a cobertura dos volantes Vina e Bruno, que se empolgavam na subida e não retornavam a tempo. Foi dessa forma que os leões da USP acabaram ganharando um escanteio e, diferente dos casperianos, aproveitaram a oportunidade. Bola alçada na área pelo camisa 10, Olé, que foi afastada pela zaga casperiana. No rebote, Décio acertou uma paulada de primeira que ainda desviou no defensor rubro-negro e pegou o arqueiro Denzel no contra-pé: 1×1.

Casper Líbero - Futebol de Campo

A Cásper foi para o intervalo com os ânimos muito diferentes do que esperavam. “Tínhamos o controle do jogo e, num vacilo, deixamos eles voltarem à partida”. Ladá pediu mais calma e advertiu que o time estava dando muito “toquinho de primeira”. Antes de voltar aos gramados, Guiga deu uma bronca que reascendeu a chama casperiana e o segundo tempo começou de forma alucinante. Muita pegada e divididas no meio-de-campo fizeram brilhar a estrela de Murilo (Uf!). Estreante na equipe, o volante não tomou conhecimento dos habilidosos meias ecanos e parou todas as investidas que vinham em sua direção. Do seu lado, Rômulo, cada vez mais adaptado à lateral-esquerda, começou a apoiar mais o ataque e puxar os contra-golpes casperianos. A ECA já não conseguia mais assustar o arqueiro Denzel e a Cásper se aproximava cada vez mais do desempate. Guiga, melhor em campo na partida, comandava o ataque do Homem Pássaro mas não conseguia achar espaços para concluir. Foi aí que apareceu, novamente, a genialidade de Vítor. Prestes a ser substituído, o atacante, até então sumido na partida, só precisou de mais um lance para colocar a Cásper na frente mais uma vez. Ao receber passe de Bruno na ponta direita, o camisa 70 se livrou de dois marcadores e acertou o ângulo de canhota. Um golaço!

O técnico Ladá, percebendo o cansaço dos atletas embaixo do sol escaldante, fechou sua defesa colocando Gué e Vinícius nos lugares de Alex e Bruno, respectivamente. E deu novo fôlego para os contra-golpes com Choco, Tácio e Zico para os lugares de Vítor, Cenoura e Guiga. O ataque descansado segurou a posse de bola no campo ofensivo e apenas viu o tempo passar até o juíz dar o apito final.

Casper Líbero - Futebol de Campo

A Cásper conquistou sua primeira vitória na Liga Paulista e soma três pontos na classificação. “Sempre é bom começar o ano com vitória. Mas o mais importante é ver que todo o elenco está apto para defender a Cásper. Opções no banco de reservas é o que não falta.” comemorou Ladá.

Colaborou: Presida, Ponei e Pagodeiro Sexy.

Confira a matéria no site do Esporte Universitário. E também no site da Atlética Jesse Owens.
E as fotos da partida aqui.


Cásper dá mais um passeio em Sapucaí

novembro 10, 2009

Jesse Owens

Atlética Cásper

Equipe bate a Santa Casa por 3×0 e aumenta as chances de classificação na Liga Paulista

Duda Mendonza
Assessoria de Imprensa


O quê? A Cásper foi pro Juca de novo?  Não, caro leitor. A Cásper foi para Santo André jogar contra a Santa Casa no campo da Vila Vivaldi – que curiosamente fica em uma rua chamada Sapucaí. Mas qual será a verdade que se esconde por trás deste nome tão curioso? Cidades, vilas e até sambódromos já foram batizados com a graça de Sapucaí. E ela parece ter criado um gosto pelos guerreiros do Exército Vermelho. Na tarde deste último domingo, os reds entraram em campo e jogaram como nunca neste segundo semestre.

O jogo

Empolgados com a vitória de virada sobre a rival de Jucas, Metodista, os casperianos entraram em campo com ânimos redobrados para buscar a tão sonhada classificação. Com apenas três pontos na tabela, Ademir sabia que precisava adiantar a marcação de sua equipe para tentar chegar ao resultado desejado o mais rápido possível. Para isso, colocou em prática o 4-3-3 quem vem usando desde o primeiro semestre, com Espiga, Choco e Tácio na frente, apertando a saída de bola adversária. No meio, dispunha de Brunella, Biel e o improvisado Jonas, como primeiro volante. Atrás, Kalil, Gué, Cauê e Alex faziam a última linha de defesa frente ao gol de Mineiro.

Embora a Santa Casa controlasse a posse de bola por mais tempo, era a Cásper que mais assustava na partida, com rápidos contra-ataques puxados por Brunella. Contudo, o meia teve que ser deslocado para a lateral-direita em virtude de uma contusão que tirou Alex nos primeiros minutos de jogo. Guiga entrou para fazer a função de armador e logo abriu o placar para os casperianos. Em cobrança de falta na entrada da área, o camisa 17 deu chute certeiro no canto superior, no contra-pé do arqueiro Faustão, e correu para o abraço.

Mesmo com a vantagem no placar, a Cásper manteve a sua postura ofensiva e continuou pressionando a Santa Casa em seu campo de defesa. Em mais um rápido contra-ataque, o cada vez mais titular Tácio achou Chocolate livre de marcação na pequena área. O xodozinho meio-amargo de RP não perdoou e anotou o segundo gol para a equipe da Paulista, com direito à comemoração ensaiada.

Os médicos até que tentavam esboçar uma reação explorando o jogo aéreo, principalmente com seu camisa 8 de dois metros e meio de altura. A estratégia, porém, se voltou contra a Santa Casa. Espiga aproveitou um rebote de bola parada e arrancou de seu campo de defesa até o gol adversário para tocar na saída do arqueiro, após se livrar de dois marcadores.

Com 3×0 no placar, antes do fim da primeira etapa, Ademas, recuou seus jogadores e pediu paciência para matar o jogo nos contra-ataques na volta do intervalo.

Os médicos da Barra Funda partiram para o tudo ou nada e acionaram o chuveirinho na área de Mineiro, que logo seria substituído por Denzel. Guiga, pendurado, também foi substituído, assim como Chocolate, Tácio e Gué. Os veteranos Lui, Negão, Rafa e Pedroso entraram para segurar o resultado e tentar ampliar a diferença de gols. Espiga teve uma oportunidade clara em cruzamento de Tácio. Seria o seu segundo gol na partida, mas o camisa 14 desperdiçou a oportunidade na cara do gol. Kalil ainda teve tempo de arriscar um chute da intermediária, mas o pequeno tripé viu a bola se perder na linha de fundo.

Sem mais forças para atacar, a Santa Casa se rendeu ao poder defensivo adversário e viu os casperianos comemorarem a sua segunda vitória na Liga Paulista.

A Cásper agora joga contra a Medicina ABC (mesma equipe que enfrentou no ano passado com apenas 7 jogadores) para decidir de uma vez por todas se vai ou não à fase final da competição.

Veja a matéria no site da Atlética Jesse Pwens.


Cásper Vence Clássico Contra a Metô: 2×1

outubro 22, 2009

Jesse Owens

Jesse Owens

Mesmo com campo em péssimas condições, equipe consegue a virada no final e segue viva na Liga Paulista

 

Duda Mendonza
Assessoria de Imprensa

Antes da partida, corriam boatos sobre a não realização da mesma. Com um lago em cada metade do campo, a organização do torneio ameaçou adiar o clássico do Juca por não haver condições de jogo. As faculdades se reuniram e, em acordo verbal, afirmaram querer jogar mesmo assim. Tanto jogadores quanto torcida não queriam perder a viagem.

Cásper e Metô entraram em campo carregadas de motivação para a vitória. Pudera: ambas estão em situação delicada na tabela da Liga Paulista e correm o risco de não se classificar à fase decisiva da competição. O resultado da partida decidiria o futuro de ambas na competição. Como se isso fosse pouco, vale ressaltar que o encontro entre as duas é sempre um clássico cheio de rivalidade. Em 2007, a Metodista eliminou o Exército Vermelho na semifinal do Juca. No ano seguinte, os Reds conseguiram dar o troco em uma rodada da mesma Liga Paulista. Finalmente, o tira teima havia chegado.

O técnico Ademir, sem Guto, Vitor, Negão e Piu, improvisou Alex na lateral esquerda e colocou Vina, Brunella e Tácio na escalação titular. Junto a eles figuravam: Mineiro, Kalil, Jonão, Cauê, Guiga, Espiga e Cenoura. Do outro lado, os laranjas apostavam na rapidez do atacante Villa, a dupla de zaga “pesadinha” e, claro, o goleiro Nhônho.

A juíza deu o apito inicial e começou a patinação. Tamanha era a dificuldade para os atletas conseguirem se equilibrar na lama que o primeiro tempo passou com pouquíssimas oportunidades de gol. Em tentativa de cruzamento, Espiga acertou o travessão. Cenoura, com sua perigosa cabeçada quase anotou também. Do outro lado, os laranjeiros pressionavam em bolas paradas e quase chegaram ao gol, não fosse as defesas milagrosas de Mineiro. Quando as duas equipes já pareciam se conformar com o empate na primeira etapa, a Metô surpreendeu a defesa casperiana e achou um golzinho – impedido – para abrir o placar em jogada de bola parada.

Mais uma vez a Cásper se via atrás no placar. A derrota significava o “adeus” à Liga Paulista 2009. Isso finalmente fez o time acordar. Pode não ter sido a mesma vontade do Juca, mas já é um começo: o suficiente para conseguir a virada.

Ademir ordenou seus atletas a pressionarem a saída de bola adversária, além de utilizar mais as laterais (em condições “menos piores” que o resto do campo). A tática deu certo: uma triangulação entre Kalil, Espiga e Cenoura burlou a zaga pesadinha e o mesmo Espiga ficou livre para marcar: 1×1. A virada quase veio no lance seguinte, quando o meia Guiga chutou de longa distância e o goleiro Nhônho se atrapalhou, mandando a bola para a trave.

Já nos acréscimos, Jonão – que até então, batia todos os tiros de meta – foi para o meio brigar pelas cabeçadas, deixando o lugar para Gué entrar na zaga e cuidar das investidas de David Villa.
O empate enfureceu os metodistas, e os mesmos começaram exagerar na força das divididas. Infelizmente, a juíza fazia apenas vista grossa. No máximo um amarelinho aqui e ali, mas nada de expulsões. O primeiro cartão vermelho viria apenas após a virada casperiana. E que virada! O guerreiro Guiga ganhou dividida na intermediária e deu passe milimétrico para Espiga. O camisa 14 chutou do jeito que a bola veio e se beneficiou do mal posicionamento de Nhônho. A ensurdecedora Agüente foi ao delírio, para desespero e desilusão dos metodistas. Lampejo da garra do Juca ou não, pouco importava. Os casperianos comemoraram como se fosse o título.

Depois disso bastava à Cásper administrar o resultado e aguardar o apito final, que, por sinal, veio antes da hora. Vina tomou o segundo amarelo e foi expulso. O tumulto iniciou uma confusão que fez a juíza encerrar a partida para evitar maiores problemas.

O resultado de 2×1 dá três valiosos pontos aos casperianos e, quem sabe, esperanças para a classificação.

Colaborou: Paulo