Cásper deixa Série Ouro escapar no finalzinho

junho 22, 2010

Atlética Cásper Líbero

Equipe vencia por diferença de dois gols, mas permitiu a virada da Pinheiros

Duda Mendonza
Assessoria de Imprensa

No primeiro fim de semana pós-Juca, a equipe de Futsal casperiana voltou às quadras para enfrentar a Medicina USP, pelas semifinais da Liga Paulista. A vitória garantiria a vaga na Série Ouro da competição no semestre seguinte. A Aguante compareceu em peso no ginásio Idalina, em São Caetano, e incendiou a partida que emocionou a todos os presentes.

O Jogo
O técnico Dalton e seu auxiliar, Ladá, armaram a equipe para conter o ataque extremamente tático da Pinheiros. Marcando atrás do meio da quadra, Guiga, Cenoura, Kalil e Vina afastavam o perigo da meta de Wesley, que fez uma grande partida. A vibração no banco de reservas intimidava o adversário, relembrando a emoção passada no Juca, uma sema atrás. A Cásper foi crescendo no jogo e criando oportunidades até sair o primeiro gol. Em contra-ataque rápido, puxado por Guiga, Cenoura definiu com um belo chute, indefensável para o arqueiro da USP: 1×0.

No segundo tempo, a Medicina começou a pressionar a saída de bola da Cásper. Sem encontrar opções de passe, Guiga arriscava perigosas jogadas individuais em seu campo de defesa. Quase entregou o gol de empate de bandeja em uma delas, mas, na sequência, armou mais um contra-ataque matador para os casperianos: 2×0.

Com a diferença de dois gols no placar, ainda restava mais da metade do segundo tempo para o apito final. A Cásper continuou se defendendo como podia, mas permitiu o empate. Primeiro, um pênalti mal marcado pelo juiz permitiu que os médicos diminuíssem a diferença. Depois, um presente da defesa casperiana (gol contra) possibilitou o empate. A poucos minutos do final, o arqueiro Wesley subiu até o meio da quadra para fazer o goleiro-linha, deixando a porteira desprotegida. No contra-ataque, o arqueiro da Med-USP lançou para seu pivô escorar de cabeça para o gol vazio e fechar o placar em 3×2.

“Infelizmente perdemos para nós mesmos. Fizemos uma partida perfeita até a metade do segundo tempo. Depois entramos em desespero e permitimos a virada”, se lamentou o comandante Dalton. Agora, a Cásper só volta a jogar pela Liga Paulista novamente no segundo semestre, quando inicia novamente a caminhada até a Série Ouro da competição, da qual foi vice-campeã no ano anterior.

Colaboraram: Bambu e Lima.

Anúncios

Cásper vence rival do Juca na estréia da Liga

maio 3, 2010

Equipe abre o placar, cede o empate, mas desempata no final

Duda Medonza
Assessoria de Imprensa

Às 9h00 do último domingo (2/5), o CEPEUSP foi palco de um dos confrontos mais aguardados do Juca 2010. Cásper e ECA estão frente à frente nas quartas-de-final do Futebol de Campo e tiveram a chance de sentir um gostinho do confronto jogando pela Liga Paulista. A ECA, responsável pela eliminação do Futsal casperiano na edição do Juca 2009, pretendia repetir a dose nos gramados da Cidade Universitária.

Casper Líbero - Futebol de Campo

A Cásper entrou em campo com Denzel, Alex, Jonas, Cauê, Rômulo, Bruno, Vina, Murilo, Guiga, Vítor e Cenoura. Os comandados de Ladá, com apoio do novo assistente técnico Espigamovic, partiram para cima desde o apito inicial e, logo nos primeiros minutos, já testava seu poder de fogo. Cenoura desperdiçou boa oportunidade mas, no ataque seguinte se redimiu. O camisa 18 encontrou Vítor na estrada da área que, com maestria, ajeitou de calcanhar na medida para Guiga que entrava livre pela esquerda. O meia tocou na saída do arqueiro Malerba e abriu o placar da partida.

O gol empolgou a equipe da Paulista, empurrada pela sua torcida Aguante, e os casperianos mantiveram a pressão para ampliar a vantagem. Primeiro Cenoura em rápido contra-ataque, e depois Guiga em forte chute de voleio que parou nas mãos do porteiro ecano.

O comandante Ladá pediu calma aos seus atletas pois cada investida deixava sua defesa mais vulnerável. “Precisamos girar mais a bola. Não é porquê a bola finalmente chegou ao ataque que temos que concluir a jogada.” pedia o professor. Mesmo não conseguindo definir as jogadas com tanta precisão, a Cásper ganhou inúmeros escanteios na primeira etapa, embora não tenha tirado proveito de nenhum deles. Já a ECA apostava nos contra-ataques pelo lado direito da defesa casperiana, onde Alex sofria para marcar sem a cobertura dos volantes Vina e Bruno, que se empolgavam na subida e não retornavam a tempo. Foi dessa forma que os leões da USP acabaram ganharando um escanteio e, diferente dos casperianos, aproveitaram a oportunidade. Bola alçada na área pelo camisa 10, Olé, que foi afastada pela zaga casperiana. No rebote, Décio acertou uma paulada de primeira que ainda desviou no defensor rubro-negro e pegou o arqueiro Denzel no contra-pé: 1×1.

Casper Líbero - Futebol de Campo

A Cásper foi para o intervalo com os ânimos muito diferentes do que esperavam. “Tínhamos o controle do jogo e, num vacilo, deixamos eles voltarem à partida”. Ladá pediu mais calma e advertiu que o time estava dando muito “toquinho de primeira”. Antes de voltar aos gramados, Guiga deu uma bronca que reascendeu a chama casperiana e o segundo tempo começou de forma alucinante. Muita pegada e divididas no meio-de-campo fizeram brilhar a estrela de Murilo (Uf!). Estreante na equipe, o volante não tomou conhecimento dos habilidosos meias ecanos e parou todas as investidas que vinham em sua direção. Do seu lado, Rômulo, cada vez mais adaptado à lateral-esquerda, começou a apoiar mais o ataque e puxar os contra-golpes casperianos. A ECA já não conseguia mais assustar o arqueiro Denzel e a Cásper se aproximava cada vez mais do desempate. Guiga, melhor em campo na partida, comandava o ataque do Homem Pássaro mas não conseguia achar espaços para concluir. Foi aí que apareceu, novamente, a genialidade de Vítor. Prestes a ser substituído, o atacante, até então sumido na partida, só precisou de mais um lance para colocar a Cásper na frente mais uma vez. Ao receber passe de Bruno na ponta direita, o camisa 70 se livrou de dois marcadores e acertou o ângulo de canhota. Um golaço!

O técnico Ladá, percebendo o cansaço dos atletas embaixo do sol escaldante, fechou sua defesa colocando Gué e Vinícius nos lugares de Alex e Bruno, respectivamente. E deu novo fôlego para os contra-golpes com Choco, Tácio e Zico para os lugares de Vítor, Cenoura e Guiga. O ataque descansado segurou a posse de bola no campo ofensivo e apenas viu o tempo passar até o juíz dar o apito final.

Casper Líbero - Futebol de Campo

A Cásper conquistou sua primeira vitória na Liga Paulista e soma três pontos na classificação. “Sempre é bom começar o ano com vitória. Mas o mais importante é ver que todo o elenco está apto para defender a Cásper. Opções no banco de reservas é o que não falta.” comemorou Ladá.

Colaborou: Presida, Ponei e Pagodeiro Sexy.

Confira a matéria no site do Esporte Universitário. E também no site da Atlética Jesse Owens.
E as fotos da partida aqui.


Nos pênaltis, Andaluzia vence o MB

agosto 14, 2009

Empate a 15 segundos do final e dois sustos nos pênaltis. Mas deu Andaluzia

Duda Mendonza
Assessoria de Imprensa

Andaluzia FC

Andaluzia FC

Nem os maiores profetas da história teriam previsto uma partida como essa. Quem imaginava um jogo truncado com dois times acuados e com medo de arriscar, errou feio. O Marios Brothers chegou a ter dois match points na partida, mas desperdiçou as oportunidades. A falta de pontaria também era evidente do outro lado. O Andaluzia chegou inúmeras vezes com perigo no gol de Luigi e foi infeliz na maioria das finalizações.

A equipe do velho continente, visivelmente desfalcada, se viu obrigada a fazer uma contratação às pressas, devido à ausência de seus dois arqueiros: Nill e Bibi (ainda não se sabe qual dos dois é o titular), além de Negão, Cenoura, Kalil, Flor e Espiga, que também desfalcaram o time. O nome apontado para salvar os andaluzes do W.O. foi Fábio K. Odonne. Afastado das quadras desde 2007 (quando defendia o antigo Bobiô), o jovem quarto-anista completou o elenco que contava apenas com Guto, Pikachu, Mailão e o capitão Justin. Do outro lado, o Marios Brothers começou com Luigi no gol, Yoshi, Mario, Bowser e Toad.

O jogo
Sem goleiro, o Andaluzia saiu jogando com Guto na posição de gol-linha (função que já havia feito com eficiência em 2008) e conseguiu segurar as investidas do adversário na etapa inicial, fechando o placar em 2×1 no apito do intervalo.

Ao retornar, o que se viu foi uma sequência surpreendente de chances perdidas que deram força ao Marios Brothers virarem a partida para 2×4. Os andaluzes não quiseram ficar pra trás e, em poucos minutos, devolveram a virada quando faltavam apenas cinco minutos de jogo: 5×4. Mas quem entende de futsal sabe que cinco minutos é tempo de sobra para uma reação. Os protagonistas da Nintendo foram atrás e conseguiram nova virada pra cima dos europeus (5×6) e sentiram a vitória mais perto. Quase que no lance seguinte, Guto se encarregou de acabar com a festa adversária e empatou a partida: 6×6

Naquele ponto, ninguém se arriscava a dizer “vai dar pênaltis”. O ritmo de jogo era tão alucinante que qualquer ataque representava perigo ao gol adversário. E foi o que aconteceu. Yoshi aproveitou um dos inúmeros descuidos da defesa andaluz e anotou, a 15 segundos do fim, o gol que daria a vitória e a classificação inédita para o MB. Contudo, la pasión y la voluntad de Andaluzia se manifestou nas pernas do capitão Justin, que não desperdiçou a última chance do jogo com sua canhota dourada: 7×7 e decisão nos pênaltis.

Pênaltis
O confronto reservava ainda mais fortes emoções para os pobres corações andaluzes. Guto e Pikachu desperdiçaram suas cobranças (em uma disputa de melhor-de-três) e bastava que Bowser anotasse para o MB para acabar com as esperanças do único representante europeu da Copa Gérson. O arqueiro Guto, cada vez mais titular da posição, salvou o time com uma linda defesa. Na sequência, Justin não perdoou e Toad acertou a trave em seguida, deixando o placar empatado após a última cobrança.

Hora das cobranças alternadas: Mailão deu um passo à frente e, com a garra tradicional, converteu sua cobrança, comemorando euforicamente. Novamente as esperanças caíram nas mãos de Guto, mas foi seu pé, em um reflexo incrível, que defendeu a cobrança de Mario e colocou o Andaluzia nas quartas-de-final da Copa Gérson.

“Hoje é um dia histórico para o Andaluzia. Lutamos até o final e conseguimos atingir nosso objetivo que era a classificação” comemorou Mailão. O resultado coloca os europeus entre as oito melhores equipes da competição, o que significa uma vaga garantida na 1ª Divisão da Mané Garrincha (caso o formato de 2007 seja mantido). Os andaluzes devem enfrentar o Abaporu ou o Coisa Linda no próximo confronto.

Colaborou: Bruno Bernardo e Rodrigo Nhan

Fonte: Atlética Jesse Owens


Chegou a Hora de Andaluzia e Marios Brothers

agosto 12, 2009

O vencedor enfrentará o Coisa Linda ou o Abaporu nas quartas-de-final da Copa Gérson

Duda Mendonza
Assessoria de Imprensa

Andaluzia

Andaluzia

Após um longo período de recesso devido ao risco iminente da gripe suína nas imediações da Cásper Líbero, a Copa Gérson volta a todo vapor, incendiando o pequeno ginásio gazeteiro nas noites da Av. Paulista. A semana já começou pegando fogo com os confrontos entre Passabola e TH7, e Amigos do Ronaldo e Ah Como é Gostoso.

Agora, a próxima quarta-feira promete ainda mais emoções para o público casperiano. A equipe do velho continente, que fez uma primeira fase impecável, volta a entrar em quadra para defender as cores andaluzes contra o sempre perigoso Marios Brothers. Apesar de sobrar motivação para o confronto, o elenco europeu volta a sofrer o incômodo de um antigo fantasma: os desfalques. Gabriel Negão e Flor, contundidos, se juntam a Cenoura e Kalil, a trabalho, na lista de nomes que não irão entrar em quadra. “Parece que quanto mais gente trazemos pro time, mais desfalques aparecem!” diz o inconformado Espiga.

Do lado do adversário, existe a expectativa de figurar pela primeira vez entre os oito melhores times em um campeonato gazeteiro.

Abaporu x Coisa Linda

Mais uma vez, estes antigos rivais do futebol casperiano se encontram em um campeonato interno. O Coisa Linda, embalado pela campanha surpreendente nos famosos Jogos da Cidade, pretende manter a tradição de Bixo Papão da Copa Gérson e levar o caneco pela sei-lá-qual vez seguida. O Abaporu, por sua vez, traça sua rota discretamente para tentar surpreender o rival mais uma vez.

As noites casperianas prometem. Não deixe de acompanhar:

Abaporu x Coisa Linda – Terça 11/08 – 21h30
Andaluzia x Mario – Quarta 12/08 – 21h30

Matéria em: Atlética Jesse Owens