A Vadia

junho 16, 2011

A Vadia

Lá estava ela, mais uma vez. Noite afora, já era mais dia do que noite. Com um dos seus vestidos mais provocantes e uma sandália de salto alto fino que acentuava as curvas da coxa e panturrilhas. Toda perfumada e penteada, não havia um homem sequer que resistisse alguns segundos de contemplação. Era alta, chamativa, sexy, e ela sabia disso. Não era ingênua. Desde que entrou na adolescência, aprendeu a se acostumar com os olhares, com as frequentes abordagens, com os silêncios repentinos toda vez que ela chegava em algum lugar. Ela era daquelas que poderiam ter qualquer um. Bastava ela ficar parada no meio da pista que os homens faziam fila para abordá-la. Era um “não” atrás de outro. A cada homem que ela dispensava, seu ego aumentava mais ainda. Ninguém era bom o suficiente para ela.

Mas algo estranho aconteceu naquela noite. Em meio a tantos olhares focados nela, ela focou seu olhar em um homem. Este homem, curiosamente, ainda não havia reparado nela. “impossível”, pensou. Posicionou-se mais perto dele para entrar em seu campo de visão. Nada. Sequer um olharzinho. Chegou mais perto, quase na frente dele. Não tinha como ele não vê-la. Ela olhou fixamente para seus olhos. Então ele percebeu. Olhou para os olhos dela, sorriu. Ela respondeu com outro sorriso. Continuaram se olhando. Mas o homem nada fazia além de olhar e sorrir. “que que ele tá esperando?”, ela estava se irritando. Por que ele ainda não foi falar com ela? Estaria acompanhado? Compromissado? Seria homossexual? Tímido? Jamais ela saberia. Ela nunca tomava a iniciativa. Sua vida inteira se resumia em falar “sim” ou “não” para as propostas q recebia.

Enquanto ficava com aquele conflito de pensamentos na cabeça, uma outra mulher se aproximou dele. Sem mais nem menos, falou algo no ouvido dele. Ele sorriu e respondeu da mesma forma. Seria sua namorada? Ficante? Amiga? Não se podia ouvir do que estavam falando, mas era fácil notar que haviam acabado de se conhecer. Conversaram por mais alguns minutos e então se beijaram.

A outra assistiu tudo de camarote. Ficou enfurecida. Depois de tudo que havia feito, perdeu para uma qualquer. Uma ignorante que desrepeitou seu papel de mulher, de passiva. Uma descarada que teve a ousadia e a cara de pau de tomar a iniciativa. Uma safada que ousou desafiar as leis da paquera entre homens e mulheres. Uma vadia.

Créditos da imagem: cidaderiodejaneiro.olx.com.br

Anúncios

Em breve…

abril 7, 2011

Encalhada ou neurótica?

Sei que vocês estavam esperando ansiosamente (#NOT!), ainda nesta semana irei postar o incrível resultado daquela enquete sobre comportamento feminino nos relacionamentos. Em breve!


O conto de fadas

outubro 25, 2010

Encalhada

Este post é para você, garota/mulher/moça/menina desiludida com o amor. Você, que ainda vive no conto de fadas. Você que acha que o príncipe encantado virá ao seu resgate e lhe dará a vida que sempre sonhou. Para você que ainda está esperando, apesar de ter perdido quase todas as esperanças, e sempre se pergunta: “Por que que eu só escolho os caras errados?”, “Por que os relacionamentos de todo mundo dão certo menos os meus?”, “Cadê meu conto de fadas com final feliz?”, “Por que que eu só me fodo?”.

Sim, este post é para você. Pra dizer pra você não perder as esperanças. Continue dando a cara para bater. Esse é o primeiro passo para encontrar o homem da sua vida. Mas caia na real. Se você quer que seu conto de fadas aconteça, faça-o acontecer. Pense bem: em todos os contos de fada, a mulher tem que fazer uma correira danada para conquistar o príncipe encantado. A Cinderela tava na merda e quase perdeu a vida só pra ter alguns minutinhos com o príncipe; a Pequena Sereia teve que abrir a mão de sua própria voz só pra tentar roubar um beijo do seu prometido; a Branca de Neve quase morreu nas mãos da bruxa pra chamar a atenção do seu amor, sem falar da Bela que teve de domesticar a Fera até esta se transformar no homem ideal.

Se até no conto de fadas o amor é difícil, imagine na vida real! Por isso, não desista. Todas essas desilusões  que você está enfrentando servirão para dar um gosto especial quando você finalmente encontrar a sua cara-metade. Cada relacionamento que não dá certo, é um mais próximo que você fica do relacionamento ideal. E você ganha experiência. Você sabe, hoje, muito mais do que sabia ontem. E quando a sua alma-gêmea finalmente aparecer, você saberá lidar melhor com os problemas que com certeza surgirão com ela. Lembre-se: o que faz um relacionamento dar certo, não é simplesmente a paixão linda e maravilhosa dos primeiros encontros, mas sim o quão bem são resolvidos os problemas que aparecem depois dessa fase. Para isso, as duas partes devem estar dispostas a ceder igualmente uma pela outra. E o mais importante: Os dois são livres para fazer o que quiserem, onde quiserem e com quem quiserem. E o que cada um decide fazer com essa liberdade é justamente o que definirá se esse relacionamento dará certo ou não.

😉


Uma Visão Machista sobre o Dia da Mulher

março 12, 2010

Dia Internacional da Mulher

O Dia Internacional da Mulher representa a conquista da igualdade entre os sexos. A independência financeira perante ao homem. A luta por uma antes subordinada criatura que se via injustiçada em inúmeros aspectos e a conquista por direitos e liberdades que, antes, eram usufruídos apenas por seres do sexo masculino. Por esses animais mal-educados, orgulhosos e arrogantes que consideram a mulher física e intelectualmente inferior.

Não preciso entrar na discussão de que a mulher já é – e sempre foi – capaz de rivalizar com o homem de igual para igual em todos os quesitos. Todos… exceto um: relacionamentos.

Há tempos tenho ouvido mulheres reclamarem do tratamento que recebem de seus respectivos amantes, casos, ficantes, namorados, noivos, maridos, peguetes, paqueras, etc. Reclamam sobre como muitos deles não são cavalheiros, não dão bola, não pagam a conta, não abrem a porta do carro, inventam desculpas, não compram presentes, não falam “te amo”, não correm atrás, não ligam, não lhes dão preferência, não sonham com elas, não são sinceros, não respeitam, enfim… É uma lista enorme de reclamações que, se deixar, posso me estender por horas só para escrever um terço delas.

Muitas mulheres dizem que o homem tem certas “obrigações” quando o assunto é “relacionamentos”. Obrigações e atitudes que, se o homem não estiver disposto a fazer, significam que ele não é o “cara certo”. Tomar a iniciativa, ligar no dia seguinte, pagar as contas, pedir em casamento, entre outras. Todas, absolutamente todas, pregadas por um sistema de tradições e clichês conservadores e, surpreendentemente, machistas! Tudo o que a maioria das mulheres espera de um homem é completamente contra tudo o que a mulher tem lutado nos últimos séculos! A liberdade de fazer o que quiser, quando,onde e com quem quiser.

A mulher de hoje já é auto-suficiente, já pode cuidar de si e pagar suas próprias contas. Certamente também é capaz de escolher seu parceiro. Porém, ainda são poucas as mulheres que tem coragem de tomar a iniciativa. É! Aquela primeira iniciativa que quase sempre cabe ao homem. Muitas delas (provavelmente você também), no máximo, dão a entender que estão interessadas, mas não movem um dedo antes que o homem manifeste verbalmente (ou fisicamente) o seu interesse. Pensam que “se ele não vier atrás, quer dizer que ele não me quer”, e “se quiser e mesmo assim não vier, é sinal de que é inseguro”. Ou seja, se os homens também pensarem isso sobre as mulheres, em 99% dos casos irão pensar que as mulheres não os querem. “Nada a ver! Quem tem que tomar a iniciativa é o homem!” Por que? “Porquê sim. Porquê sempre foi assim. É tradição.” Interessante.

Se a maioria das mulheres pensa assim, isso implica dizer que, pelo menos no quesito “relacionamentos”, a mulher ainda é (por auto-intitulação) dependente do homem. “Mas se eu tomar uma iniciativa, ele vai pensar que eu sou vulgar (para não citar outros adjetivos mais sujos)”.

CORREÇÃO: “ELAS vão pensar que você é vulgar”. Elas, que não tem coragem de tomar a iniciativa. Elas que morrem de inveja quando as “outras” vão atrás do homem que querem. Elas, sim, ELAS! Elas que tem medo da mudança, dos tempos modernos. São elas que irão pensar que você é vulgar. Elas que, finalmente com os direitos iguais conquistados, talvez até prefiram não ter.

Enfim, creio que deu pra entender que a postura machista nem sempre é aplicada apenas aos homens. Eu, pessoalmente, adoro quando uma mulher tenta algo comigo. E se for bom, com certeza darei continuidade para, quem sabe, evoluir para algo mais sério. Por que não? As mulheres fazem isso toda hora com os homens que tomam a iniciativa com elas. E nem por isso os consideram vulgares.

Se tudo que as mulheres querem é igualdade, os homens também.

Tenham todas um Feliz Dia da Mulher!